Praias ficam cheias na Baixada Santista

No Guarujá, não há mais restrição de horário
No Guarujá, não há mais restrição de horário - FOTO: FERNANDA LUZ/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Mesmo diante da pandemia do novo coronavírus, o sábado de sol levou moradores e turistas às praias da Baixada Santista, que estão parcialmente liberadas para a prática esportiva individual e atividades no mar.

No Guarujá, não há mais restrição de horário para as pessoas se exercitarem na faixa de areia ou surfar. Porém, é proibido entrar no mar, exceto para prática de esportes aquáticos. Além disso, não é permitido colocar cadeiras ou guarda-sóis na faixa de areia.

"Fiquei dois meses sem surfar, costumava vir ao Guarujá para aproveitar a praia com a família. Foi difícil ficar sem o surf", contou Marcella Moura, de 21 anos, antes de entrar no mar da praia de Pitangueiras.

Para muitas pessoas, o retorno à praia gerou dúvidas. Por isso, guardas-civis municipais fiscalizavam possíveis irregularidades cometidas por visitantes, como aglomeração ou banhos de mar. A liberação para estar na praia em qualquer horário começou ontem. Antes, só era possível permanecer na faixa de areia ou no mar até as 10 horas. "Moro em Guarulhos, mas tenho apartamento aqui no Guarujá. Faz muita diferença não ter limite de horário, porque antes, quando chegava com meu neto, já estava quase na hora de ir embora. Fiquei muito tempo sem vir à praia", disse Selma Cordeiro, de 57 anos.

Já no litoral norte, as cidades também registraram movimentação nas praias, que estão liberadas desde o fim de junho. Em São Sebastião, o acesso voltou a ser proibido para passeio e turismo Agora, só é permitido o acesso para a prática de atividades físicas individuais. Além disso, os ambulantes podem trabalhar todos os dias, mas sem fixar lugar.

Fase amarela

As praias das cidades da Baixada Santista ficaram totalmente fechadas no início do período pandemia. Na sexta-feira passada, a Baixada Santista passou para a fase amarela do Plano São Paulo, que permite maior reabertura, ainda que parcial, de atividades comerciais, bares e restaurantes. Cada cidade da região está montando um plano de ação para a retomada das atividades econômicas a partir do anúncio feito pelo governo estadual.

A nova classificação da Baixada Santista no Plano São Paulo se deu porque os novos dados apresentados pelo Estado mostram melhora no cenário da doença. A região está com 49% da ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e com 26,2 leitos para cada 100 mil habitantes.