Mogi é classificada com sinal amarelo em vulnerabilidade

O município de Mogi das Cruzes foi classificado pelo Instituto Votorantim com sinal amarelo do Índice de Vulnerabilidade Municipal (IVM), referente aos impactos provocados pela pandemia de coronavírus (Covid-19). Isso porque, a taxa de fragilidade da cidade está em 50,1 pontos, de acordo com o levantamento disponibilizado gratuitamente para apoiar a tomada de decisões dos gestores públicos e privados envolvidos em ações de combate à pandemia.

O IVM varia de 0 a 100, quanto maior a pontuação, mais vulnerável e suscetível esta o município com relação ao vírus. As cidades com índices de vulnerabilidade maior que 60 estão em sinal vermelho; o sinal laranja vai para os municípios com índices de 55 a 65; o amarelo, de 45 a 55, o verde claro, de 35 e 45 e o verde é para cidades abaixo da classificação 35. Procurada pela reportagem, a Secretaria de Saúde de Mogi informou que "o próprio Instituto classifica o estudo como material de apoio, não podendo ser utilizado de forma isolada para avaliação de parâmetros".

O estudo realizado pelo Instituto Votorantim é composto por 18 indicadores distribuídos em cinco pilares temáticos: População Vulnerável, Economia local, Estrutura do Sistema de Saúde, Organização do Sistema de Saúde e a Capacidade Fiscal da Administração Pública.

A cidade de Suzano, assim como Mogi, também se enquadra no sinal amarelo, obtendo o nível de vulnerabilidade em 54,2. Questionada, a Secretaria de Saúde de Suzano informou que um dos pontos importantes a se considerar é a retaguarda de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do governo do Estado que ainda não estão disponíveis no Hospital Auxiliar de Suzano. A cidade, por meio do Condemat (Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê), vem cobrando esta solução e, por isso precisou se reorganizar. O município vem se preparando desde o início da pandemia, com a implantação do Hospital de Quarentena e da Telemedicina.

Guararema e Arujá são outros municípios em sinal amarelo, com os níveis de vulnerabilidade em 49 e 46. Ferraz de Vasconcelos e Itaquaquecetuba também estão na mesma categoria, já que o levantamento indicou que os níveis são de 47 e 48. Por fim, em Poá e Biritiba Mirim possuem níveis de fragilidade à transmissão do novo vírus acima das outras, com 60 e 63. Em nota, a Prefeitura de Biritiba afirmou que está ciente do estudo, no entanto, segue os protocolos adotados pelo governo do Estado de São Paulo.

Outro levantamento, desta vez sobre a rapidez de transmissão do coronavírus foi elaborado pela Fundação Perseu Abramo. Das 30 cidades do Estado de São Paulo, o município de Ferraz de Vasconcelos foi o único participante da região citado como uma das cidades mais vulneráveis ao alastramento da doença.

Ainda na tarde de ontem, toda a região foi reclassificada para a fase amarela do Plano São Paulo, que permite uma flexibilização maior dos comércios nos municípios.