Marcus Melo tenta diálogo para liberar atividade noturna

O avanço de Mogi das Cruzes para a fase 3, de cor amarela, do Plano São Paulo de Retomada Econômica, foi recebido com entusiamo pelos proprietários de bares, restaurantes, academias, salões de beleza e barbearias, que poderão retomar suas atividades após quase quatro meses com portas fechadas. O prefeito Marcus Melo (PSDB) se comprometeu a tentar ampliar ou readequar, junto ao governo do Estado, o horário de bares e restaurantes ao período noturno, devido ao claro prejuízo que boa parte destes estabelecimentos terá com a proibição do funcionamento após as 17 horas.

O Plano São Paulo do governo estadual determina que esses locais terão de funcionar com atendimento presencial entre as 6 e 17 horas, não ultrapassando o período de seis horas contínuas de atendimento, em ambientes ao ar livre ou arejados, com janelas abertas, ventilação natural ou circulação de ar.

Segundo pronunciamento do prefeito Melo, a Prefeitura se mobilizará ao longo da próxima semana para tentar flexibilizar o horário. "Vamos trabalhar para tentar um diálogo com o governo do Estado para que possa ser ajustado esse horário e estendido até após as 17 horas. Alguns setores (como pizzaria e bares) atraem o público à noite. Já havíamos tentado ampliar o horário das lojas de rua (quando a cidade estava na fase laranja), mas fomos barrados pelo Ministério Público. Mesmo assim, buscaremos o diálogo para que alguns setores não sejam prejudicados", afirmou Melo.

Receio de reabrir

O proprietário de um restaurante na região central de Mogi, que possuí área externa dentro das exigências estaduais, Felipe Martins, comemorou a liberação do setor, entretanto, tamanha foi a mudança na rotina de trabalho durante a pandemia, que o empresário aguardará alguns dias para reabrir seu espaço. "Temos muitas coisas para organizar ainda; o nosso delivery está funcionando muito bem. Precisamos remanejar algumas questões e entender quando será o melhor momento para atender os clientes de forma presencial", afirmou o empresário.

Outro setor que estava há semanas pleiteando o retorno das atividades e que agora poderá abrir as portas é o de academias. Com a estimativa de retorno de 40% dos funcionários e com 90% dos estabelecimentos funcionando, o ramo poderá reabrir as portas com 30% da capacidade de público, em dois horários: das 7 às 10 horas e das 18 às 21 horas. "A cada dia que passava, a situação piorava. É mais do que um alívio, é uma felicidade mesmo", afirmou Marcos Pudo, proprietário de uma rede de academias em Mogi e representante do grupo de donos de estabelecimentos do setor.

Mesmo coma reabertura, as academias temem pelo prejuízo. Alguns municípios que já reabriram acabaram fechando dias depois, devido ao fraco movimento. "Vamos considerar isso nas próximas semanas, se vale a pena ficar aberto agora ou esperar pela flexibilização total", completou.