Governo confirma ativação condicionada à demanda

Número de leitos e respiradores favorece a região, além do índice de óbitos
Número de leitos e respiradores favorece a região, além do índice de óbitos - FOTO: Ney Sarmento/PMMC
O governo do Estado confirmou ontem que a ativação dos leitos criados com a destinação de dez respiradores ao Hospital Estadual Doutor Arnaldo Pezzuti Cavalcanti, em Mogi das Cruzes, continua condicionada à alta de ocupação de leitos no Alto Tietê, mesmo com o encaminhamento dos equipamentos.

Por nota enviada na tarde da última terça-feira ao Grupo Mogi News, o governo de São Paulo já havia indicado tal cenário, quando o Estado confirmou a destinação dos respiradores. Entretanto, a assessoria de comunicação da Secretaria do Estado da Saúde explicou ontem que a destinação dos leitos ocorre para garantir a reserva estratégica para eventual demanda regional, confirmando que, neste primeiro momento, os leitos não estarão disponíveis.

A disponibilização dos respiradores para a unidade mogiana foi divulgada na tarde da última terça-feira pelo Estado, por meio de comunicado oficial. O governo também confirmou que a atual ocupação de leitos evidencia que a rede hospitalar da região segue com condições de atender a demanda de pacientes. Com os novos equipamentos, Mogi passará a contar com 128 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dos quais 87 públicos, 54 deles implantados no Hospital Municipal, onde funciona o Centro de Referência do Coronavírus.

Ao que tudo indica, a disponibilização dos leitos está cada vez mais distante de ocorrer, uma vez que a taxa de ocupação de leitos nos hospitais da região segue distante dos 80%, limite estipulado para ativação das unidades.

Para se ter uma ideia, a média de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 no Alto Tietê na última terça-feira era de 56%. Contando todos os leitos públicos disponíveis, a ocupação era de 64%, segundo o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat). Até o momento, Mogi das Cruzes soma 3.038 casos confirmados de Covid-19, dos quais, infelizmente, 206 pacientes foram a óbito.

"Somente no Hospital Municipal conseguimos quintuplicar o número de leitos de UTI para atendimento aos pacientes suspeitos e confirmados de Covid-19. A instalação de mais dez leitos públicos de UTI na cidade colabora para ampliar os atendimentos e reduzir nossas taxas de ocupação", explicou o prefeito Marcus Melo (PSDB). Ontem, a taxa de ocupação dos leitos de UTI na cidade era de 51,6% e, de enfermaria, 42,9%.

CONDEMAT RESSALTA A IMPORTâNCIA DAS UNIDADES

A direção do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) reforçou a importância dos dez leitos estarem preparados para início imediato, caso haja mudança no cenário atual de ocupação hospitalar na região. O grupo também ressaltou que, "independente do quadro atual de pandemia", a região possui déficit de leitos públicos de UTI.

"Portanto, mesmo que não apresente demanda Covid neste momento, o Condemat entende que a ativação dos dez leitos no Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti proporcionará um ganho para a estrutura de saúde do Alto Tietê", justificou.

O Condemat também enfatizou a necessidade urgente da habilitação dos leitos de UTI abertos pelos municípios para suprir a demanda de pacientes e que estão funcionando sem repasses de recursos do governo do Estado e do Ministério da Saúde. Vale ressaltar a promessa antiga do governo do Estado de encaminhar dez respiradores para Itaquaquecetuba e Suzano, que ainda aguardam os equipamentos. (F.A.)

Deixe uma resposta

Comentários