Câmara investigará cestas em ginásio

A Câmara de Itaquaquecetuba recebeu na última terça-feira uma denúncia de irregularidades na distribuição de cerca de 5 mil cestas básicas feitas pela Prefeitura às pessoas carentes durante o período da pandemia de coronavírus (Covid-19). A queixa, protocolada pelo vereador David Neto (PPS), o Conselho Municipal de Saúde e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), é de que cestas foram abertas e produtos não foram entregues dentro do prazo de validade. A instauração de uma comissão para investigar o caso não está descartada. O assunto já foi tema de reportagem do Grupo Mogi News na sexta-feira da semana passada.

De acordo com a denúncia, as cestas básicas enviadas pelo governo do Estado para serem distribuídas às famílias carentes afetadas pelo desemprego durante a pandemia não foram entregues como deveria. Muitos produtos ficaram estocados dentro do ginásio municipal e estragaram. Essa falta de agilidade para entregar as cestas, durante um período tão crítico, levantou dúvidas aos conselheiros da Saúde e ao parlamentar.

Apesar de a Câmara ter uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) que trata da Covid-19, o caso das cestas básicas não deve ser incluído nos trabalhos porque a CEI está com o prazo próximo de seu final. Neste caso, a denúncia deverá ser apreciada pelos vereadores no retorno das sessões ordinárias, em agosto, e uma nova comissão poderá ser criada para investigar o assunto.

Nos últimos dias, a Prefeitura chegou a emitir uma nota dizendo que não há irregularidades na distribuição das cestas básicas, mas que cerca de duas mil famílias não foram encontradas para receberem os kits de alimentos do governo do Estado.