Em 15 dias de campanha, 45 mil são vacinados contra a gripe

Três das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê vacinaram, em 15 dias, quase 46 mil pessoas contra o vírus influenza, causador da gripe. No início deste mês, a Secretaria de Estado da Saúde ampliou a campanha de vacinação para o público geral em todo o território paulista. A extensão deve durar até o dia 24 deste mês, ou até os estoques das cidades se esgotarem.

A vacina não protege contra o coronavírus (Covid-19), mas o Estado a considera fundamental para diminuir o número de pessoas que apresentam problemas respiratórios graves, principalmente as que necessitam de internação, além de conseguir eliminar uma das possibilidades de diagnósticos, uma vez que os sintomas da Covid-19 são semelhantes aos da gripe.

Somente em Suzano, 12.361 habitantes foram vacinados até anteontem. Em Ferraz de Vasconcelos foram 5.634 moradores imunizados do dia 1º ao 15 deste mês.

Desde o início deste mês, 27.617 mogianos garantiram a imunização contra a gripe. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, cerca de 23 mil doses foi para população em geral e o restante para grupos contemplados. "Com isso, conseguimos melhorar um pouco as coberturas de gestantes e crianças. Todos ainda podem procurar as unidades de saúde", afirmou a Pasta.

A terceira e última fase da Campanha teve início no dia 11 de maio e foi dividida em duas etapas. A primeira ocorreu no período de 11 a 17 com foco nas pessoas com deficiência; crianças de seis meses a menores de 6 anos; gestantes; e mães no pós-parto (até 45 dias). A segunda etapa ocorreu entre 18 de maio a 5 de junho e estavam incluídos os professores das escolas públicas e privadas e os adultos de 55 a 59 anos de idade.

Mais certeza

O médico imunologista e vereador de Mogi, Otto Rezende (PSD), explicou que a imunização contra a gripe torna os exames medicinais mais assertivos. "Quando a pessoa está vacinada contra a gripe e apresenta sintomas, que são semelhantes aos do coronavírus, os médicos já descartam a existência da influenza", explicou. Nos casos em que o indivíduo não está vacinado, os profissionais da saúde precisam fazer mais testes de diferentes doenças. Desta forma, com as vacinas em dia, a descoberta das causas de uma gripe, por exemplo, se torna mais rápida.