Instabilidade impede maior oferta de vagas de emprego

Mesmo com as flexibilizações econômicas da quarentena em razão do coronavírus (Covid-19) em todo o Alto Tietê, a oferta de vagas de emprego ainda deve ocorrer de maneira gradativa. Nem as vagas temporárias, sem contratos duradouros, estão sendo abertas com maior frequência. A Prefeitura de Mogi das Cruzes, por exemplo, explicou que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social ainda não recebeu a promoção de vagas temporárias neste período. Ainda segundo a pasta municipal, este tipo de contratação costuma ser mais comum em outros períodos, como o Natal.

"Apesar disso, em um ano atípico como este ainda não temos informações sobre como será esta demanda do surgimento de novas vagas temporárias. As vagas que estão disponíveis por meio do Emprega Mogi Digital são para cargos efetivos", pontuou. Há uma semana e três dias, o município e a região passaram a exercer atividades de acordo com a fase amarela do Plano São Paulo, que permite o funcionamento comercial por seis horas diárias.

Ainda assim, é prematuro afirmar qualquer melhora futura da economia, considerando que os próprios municípios estão avaliando a necessidade progredir ou regredir de fase do Plano São Paulo. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego em Suzano, as condições da economia levaram o município a um quadro de estabilização na relação entre oferta de vagas e demissões.Por este motivo, ainda não há uma oferta consolidada de empregos temporários no município.

O mesmo explicou a Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos, o Executivo acredita que os empreendedores ainda estão inseguros no sentido de não saber se o município voltará para outras fases do Plano ou evoluirá.

Indústria

O economista e assessor estratégico do Centro de Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), André Rebelo, afirmou que este não é um momento para garantir a reabertura de vagas empregatícias.

"Precisamos agradecer por cada emprego mantido e esperar a retomada gradual do comércio, isso vale não só para as regiões como para todo o Estado de São Paulo", disse. Sem números a respeito do Alto Tietê, o economista também acrescentou que o setor industrial também apresenta melhorias, embora não seja possível mencionar quantitativamente.