DAEE inicia licitação para desassorear o rio Jundiaí

O primeiro passo para a limpeza do rio Jundiai, enfim, terá início oficial hoje, com o princípio da escolha da empresa que ficará responsável pelos serviços e obras de desassoreamento do curso d'água, ao custo de R$ 4,4 milhões.

A sessão pública para apresentação e abertura dos envelopes será realizada na sede do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), em São Paulo, às 14 horas.

O aviso de pregão informa que o DAEE fará a contratação dos serviços de desobstrução, limpeza, adequação do desemboque e desassoreamento do rio Jundiaí no trecho compreendido imediatamente à jusante da avenida das Orquídeas, já na várzea da baixa do rio Tietê, até as proximidades da rua José Pereira, numa extensão de cerca de 3 quilômetros.

O processo inicia o planejamento feito pelo governo do Estado para diminuir os casos de enchente em Mogi e região, pauta amplamente solicitada pelos prefeitos por meio de diversos encontros do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Meio Ambiente, ao longo do ano passado, mas que está sendo pensado desde 2018. "É uma área sensível e sujeita a alagamentos, portanto, com o desassoreamento podemos minimizar e até resolver boa parte destes alagamentos, beneficiando a população daquela região diretamente", disse o secretário de Meio Ambiente de Mogi das Cruzes, Daniel Teixeira de Lima. Segundo o titular da Pasta, tal obra é considerada "importante" e "estratégica" ao município e à região do Alto Tietê.

A última vez que o rio Jundiaí passou por um desassoreamento completo foi no segundo semestre de 2009, há mais de dez anos. Na oportunidade, foram investidos R$ 2,5 milhões no trabalho - que incluiu o desassoreamento de um trecho de 8,4 quilômetros, o que significou a retirada de mais de 62 mil metros cúbicos de material. Com isso, houve uma melhora sensível no escoamento da água, o que contribuiu para minimizar os efeitos da chuva nos bairros localizados à margem do rio.

Já no primeiro semestre de 2011, foi feita uma limpeza superficial do rio, por meio de uma parceria entre a Prefeitura de Mogi das Cruzes e o DAEE. Na prática, a limpeza consistiu na retirada do material acumulado na superfície, como garrafas plásticas, além de mato e terra.

Outros projetos

De acordo com o DAEE, outros quatro projetos devem dar início ao desassoreamento após a licitação. Ao custo de R$ 9,1 milhões está programada a limpeza dos rios Guaió (Suzano), Jaguari (Suzano e Itaquaquecetuba), Jundiaí (Mogi das Cruzes) e no córrego Itaim (Poá).

Deixe uma resposta

Comentários