Choque de realidade?

O verdadeiro instante de nosso nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar dotado de inteligência sobre nós mesmos. Não é nas estrelas que está o nosso destino, mas em nós, se o soubermos buscar, ainda mais sabendo ser o mundo um palco! E todos seres humanos meros atores, com suas saídas e suas entradas.

Ao se dar conta que todo tolo imagina ser sábio, mas todo homem sábio: como sabe ser tolo! Assim alguns nascem grandes, alguns conseguem grandeza, e alguns têm a grandeza que lhes é imposta, sem saber o que fazer com ela! Agora, se a música é o alimento do amor, porque não ouvi-la?

Agora se alguém nos picar, não sangramos? Se alguém nos faz cócegas, não rimos? Se alguém nos envenenar, não morremos? E se alguém estiver errado acha que não devemos reagir? Deus nos deu um rosto, para que, pela reação ao que é ruim, o transformemos em outro, mais adequado ao equilíbrio de que se basta a Natureza.

Toda ignorância é a maldição de Deus! Conhecimento, e compreensão por desdobramento, são as asas com que se voa para o céu em busca de uma sabedoria.

A paz é própria da Natureza e uma conquista de todos; para, que em seguida, ambas as partes nobremente sejam subjugadas, e nenhuma delas perdedora. Assim toda vida, devidamente alinhada com a Natureza, sob a clara intenção desse público assombro é isso: encontrar sermões em pedras, línguas em árvores, livros nos riachos que correm, frases evocadoras nos entardeceres, e tudo passa a ser considerado bom! Para nosso próprio bem: ser verdadeiro, e assim prosseguir, como a noite ao dia. Jamais ser indiferente àquilo que o dia-a-dia nos dá pleno de significado!

Quem poderia se abster de quem tem um coração para amar, e nesse coração a coragem para tornar o amor realidade? Amor: sempre cego para as falhas, e para uma alegria sempre adiada! Sem lei voa, e se não for confinado, rompe todas as cadeias de todas as mentes. Amor: uma nuvem de fumaça das mais do que declaradas interrogações.