Tempestade e a nova humanidade

Mundo em transformação. No momento não é possível saber se a humanidade está diante de um dilúvio invisível, ou seja, sem água como foi o ocorrido nos tempos de Noé. Todos estão aguardando a bonança após a passagem da pandemia da Covid-19.

As expectativas são enormes. A humanidade deverá fazer uma análise ou um balanço das vidas, tanto das que partiram como dos sobreviventes. Quantos problemas para reflexões: a economia saqueada, já não se conhece as pessoas devido ao uso das máscaras, a maioria está aprendendo como viver em prisões (lares), além dos mais todos estão sentindo a falta de abraços, beijos, aperto de mão e aproximação.

A sociedade brasileira está à deriva, assim como muitos países. Nos lares as brigas entre casais têm aumentado, além das indisciplinas das crianças por falta de lazer, escolas e passeios.

De outro lado ataques, assaltos, saques, roubos e violência estão crescendo. É outro mundo surgindo. Mas todos têm a obrigação de lutar para a pacificação. Como eliminar as tristezas, o desespero e criar novas perspectivas para uma nova vida e implantar um mundo melhor?

O maior de todos os desafios é "criar uma nova humanidade". Combater o orgulho, as vaidades e implantar a humildade. No momento que iniciarem a elevação do grau de consciência e aprenderem que todos são falíveis e frágeis, poderá haver amadurecimento. Além do mais, vale lembrar que quando partirem, nada levará em sua urna funerária, então a humildade será o norte para a vida na Terra.

Todos os seres humanos são responsáveis para sustentar a paz mundial e amar uns aos outros. Dissipar a ignorância e descobrir o potencial que há em cada ser humano. A tempestade vai passar, então elimine os seus sofrimentos e despeje o seu amor a toda a humanidade e faça o bem prevalecer em suas atitudes. Lembre-se "não há maior força no mundo do que o amor incondicional". Eleve a sua consciência e pense sempre no próximo.