Programa da ONU ganha Nobel da Paz

O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU) ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2020, anunciou ontem o Comitê Nobel da Noruega. A organização destacou o programa promovido pela ONU "por seus esforços para combater a fome, por sua contribuição para melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos e por atuar como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como arma de guerra e conflito."

O WFP é o maior programa de combate à fome do planeta e busca promover a segurança alimentar. Apenas em 2019, a agência da ONU forneceu assistência para cerca de 100 milhões de pessoas em 88 países. Nos últimos anos, no entanto, a situação vem se agravando, com 135 milhões de pessoas passando fome, aumento causado majoritariamente por guerras e conflitos armados. A agência, em paralelo, tem dificuldades para receber os recursos necessários para expandir seu trabalho.

A premiação ganha ainda mais importância em um ano em que o mundo enfrenta uma grave crise alimentar por causa da pandemia do novo coronavírus. "O mundo está enfrentando fome generalizada de proporções bíblicas", alertou em abril David Beasley, chefe da agência de assistência alimentar da ONU. O diretor executivo do órgão afirmou que havia pouco tempo disponível para agir antes que centenas de milhões passassem fome.

Solidariedade

Ao entregar o prêmio, o Comitê Norueguês do Nobel elogiou o programa por seus "esforços para acabar com a fome no mundo e pela necessidade de solidariedade e multilateralismo". A premiação ao programa é uma forma de apoio a ONU, que completou 75 anos em 2020. O Sistema das Nações Unidas enfrenta desconfiança, ataques populistas e incertezas sobre o futuro em meio à ascensão de governos populistas.

Em seu anúncio, Reiss-Andersen ressaltou que a pandemia de Covid-19 teve como consequência um grande aumento do número de vítimas da fome que, somada ao aumento de conflitos em países como Iêmen, República Democrática do Congo, Nigéria, Sudão do Sul e Burkina Faso teve efeitos dramáticos. Diante da pandemia, o Programa Mundial de Alimentos "demonstrou uma habilidade impressionante para intensificar seus esforços". (E.C. com agências internacionais).

Deixe uma resposta

Comentários