Covid-19 altera datas e impõe novas regras para votar

Horário de votação está entre as mudanças feitas pelo TSE, com horário preferencial para pessoas idosas
Horário de votação está entre as mudanças feitas pelo TSE, com horário preferencial para pessoas idosas - FOTO: Daniel Carvalho/Arquivo Mogi News
Além de provocar a alteração do calendário eleitoral, a pandemia da Covid-19 exigiu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adotasse uma série de medidas para evitar a disseminação do novo coronavírus durante as eleições municipais que terão o primerio turno no dia 15 de novembro. Apenas nas cinco cidades mais populosas do Alto Tietê - Mogi das Cruzes, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá e Suzano - são mais de um milhão de eleitores aptos a votar.

O Plano de Segurança Sanitária, apresentado no mês passado pelo TSE, foi elaborado por especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e dos hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês. O objetivo é ofertar segurança sanitária para eleitores e mesários no pleito que vai eleger prefeitos e vereadores.

A principal mudança diz respeito a data do primeiro turno do pleito, originalmente marcado para 4 de outubro, mas que foi adiado para 15 de novembro em decorrência do avanço do novo coronavírus. As alterações no calendário eleitoral ocorreram por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada pelo Congresso em julho. 

O TSE também excluiu a identificação biométrica. Assim, os eleitores de Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Salesópolis e Santa Isabel, cidades onde o cadastramento biométrico foi obrigatório, serão identificados da forma tradicional. Outra medida foi a ampliação do horário de votação. Em vez das 8 às 17 horas, as seções eleitorais vão funcionar a partir das 7 horas para evitar aglomerações. Eleitores com mais de 60 anos terão horário preferencial, entre 7 e 10 horas.

Além do uso obrigatório da máscara, exigido por lei no Estado de São Paulo, nas filas foi determinado espaço de um metro entre os eleitores. Os locais serão demarcados com fita adesiva para garantir o distanciamento social.

O TSE ainda pede que os eleitores utilizem álcool em gel antes e depois da votação. O produto estará disponível nas seções eleitorais. Outra recomendação é levar a própria caneta, de cor azul ou preta, para a assinatura no local de votação, evitando assim o compartilhamento do item.

Abstenção

A pandemia do novo coronavírus pode interferir ainda mais nas eleições, já que limitou as campanhas presenciais e, principalmente, pode fazer com que pessoas do grupo de risco não saiam para votar. Segundo o sociólogo e professor Afonso Pola, candidatos que possuem sua base eleitoral em um público mais conservador, ou mesmo de faixa etária mais elevada, podem perder alguns votos. "Mesmo assim, acredito que não vai surtir um impacto muito grande no resultado final dos votos", ponderou o especialista. 

A reportagem procurou o TSE para um parecer sobre a expectativa em relação a abstenções, mas até o fechamento dessa edição não recebeu resposta. 

Deixe uma resposta

Comentários