Confeiteira necessita de R$ 287 mil para cirurgia

A confeiteira de Mogi das Cruzes Daiany Aguiar, de 37 anos, está promovendo uma vaquinha solidária para custear o tratamento da Doença de Machado-Joseph (DMJ), também conhecida por Ataxia SCA3, diagnosticada ano passado. De acordo com Daiany, o tratamento não existe no Brasil e é encontrado apenas na Flórida, nos Estados Unidos.

O tratamento estimado pela confeiteira é de
R$ 287 mil. "Meu diagnóstico veio em junho de 2019, assim que consegui realizar meu sonho de abrir a minha loja de confeitaria", explicou a profissional.

Após as primeiras dores e dificuldades para caminhar, a coordenação motora de Daiany começou a comprometer o trabalho e, desde então, ela não consegue confeitar os bolos com os detalhes e a agilidade de antes. "No começo, eu pensava que era cansaço, mas como o meu pai faleceu aos 47 anos com a mesma doença, fui fazer o exame. Os meus sonhos foram destruídos, e não parava de pensar como iria continuar trabalhando para sustentar meus filhos", lamentou.

Após a confirmação, Daiany contou que entrou em uma tristeza profunda, até que sua irmã assistiu a uma reportagem sobre um médico o brasileiro Marc Abreu, que atua nos EUA, e descobriu o tratamento por meio de uma cirurgia de indução de proteínas de choque térmico.

Até o início desta semana, a confeiteira havia arrecadado R$ 11.522 por meio da vaquinha que está disponível no link www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-surgiu-cura-para-doenca-rara-degenerativa. Os interessados nas doações também podem depositar os valores na conta poupança da Caixa Econômica Federal que tem os seguintes dados: operação 013, agência 1787 e conta 8642-2.