Contratação de temporários deve cair até 25% neste ano

O comércio varejista de Mogi das Cruzes e Alto Tietê deve contratar até 25% menos trabalhadores temporários neste Natal em relação à mesma data de 2019. No ano passado foram 1.200 contratações temporárias em Mogi, ao passo que, neste ano, a expectativa é de apenas 900 postos gerados, estimou o Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomércio). De acordo com a entidade, os setores mais afetados serão os de vestuário, calçados, eletrônicos e o setor de brinquedos.

Com o desemprego em alta e milhares de demitidos em consequência da crise gerada pela pandemia de coronavírus (Covid-19), nem mesmo o Natal servirá de consolo para quem espera encontrar uma vaga temporária nas vendas de fim de ano e entrar em 2021 com as contas em dia.

O Sincomércio calcula que, para atender ao tradicional aumento das vendas durante o período de festas, a contratação de vagas temporárias terá uma queda que pode variar de 15% a 25% e um dos principais motivos para essa redução é a queda do poder aquisitivo das famílias, em decorrência da pandemia, que afetou todos os setores da economia do país nos últimos sete meses.

"Podemos constatar que no ano anterior tivemos, aproximadamente, 1.200 contratações temporárias em Mogi, a qual menos de 60% foram efetivados. Este ano, pelo motivo de suspensão ou reduções dos contratos de trabalho, será mais baixo do que o do ano de 2019. Até o momento verificamos que as empresas estão encerrando as suspensões ou mesmo as reduções para a volta desses funcionários ao trabalho, com isso estamos tendo pouca contratação de empregados temporários". explicou o Sincomércio.

A estimativa do sindicato para a região está em consonância com o cálculo de redução de 20% desse tipo de contratação para todo o país, de acordo com levantamento realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A associação avalia que 70,7 mil trabalhadores temporários serão admitidos nos meses de novembro e dezembro para as vendas de fim de ano, o saldo será o menor resultado em cinco anos. Em 2019 foram criados 88 mil postos temporários.

Para aqueles que conseguirem uma vaga, a CNC informou que o salário médio dessas admissões temporárias deverá alcançar R$ 1.319. As lojas especializadas na venda de produtos de informática e comunicação deverão ser responsáveis pelos maiores pagamentos, seguidas pelo ramo de artigos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos.

*Texto supervisionado pelo editor.