Sindicato dos Policiais Civis volta a cobrar maior efetivo

Mesmo com o aumento exponencial da população de Mogi das Cruzes e de todo o Alto Tietê, a quantidade de policiais civis em atividade vem diminuindo constantemente na região. Isso é o que aponta o presidente licenciado do Sindicato dos Policiais Civis de Mogi das Cruzes e Região, Waldir Fernandes.

Em 1990 a população da cidade era de aproximadamente 263 mil habitantes, enquanto o efetivo da Polícia Civil era de mil policiais, de acordo com o sindicato. Atualmente, passados 30 anos, a população é de 445 mil e o efetivo de cerca de 500 policiais - uma redução de 50% contra um aumento populacional de 69%.

Segundo o representante da categoria, a pior situação dentro do quadro de carreiras da Polícia Civil é dos escrivães, na qual há uma sobrecarga significativa sobre estes profissionais, que acaba resultando na "péssima prestação de serviço aos cidadãos". "A prestação de serviço é comprometida, não funciona. E não é pelos policiais que lá estão, porque estes são heróis, e sim pelo desinteresse e descaso do governo", critica Fernandes. "Falta empenho, sobra desinteresse e descaso", respondeu quando questionado os motivos que levam a este déficit no quadro da polícia.

Reforçando o que havia dito à reportagem no início deste ano, quando a situação já se demonstrava "caótica", como disse Fernandes, a falta de funcionários na Polícia Civil é um problema registrado em todo o Estado, em diversas regiões ainda mais populosas que o Alto Tietê. "Há 15 anos a Polícia Civil do Estado de São Paulo tinha um efetivo de 45 mil funcionários e no último levantamento, de meses atrás, apenas 26 mil", revelou o dirigente.

Para resolver o problema, a solução é a "contratação urgente de funcionários para atender a população com dignidade", apontou o presidente licenciado da categoria. "Precisamos preencher esse distanciamento entre o que tínhamos e o que temos hoje", completou.

Até o fechamento dessa edição, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) não respondeu os questionamentos da reportagem sobre o atual quadro de funcionários da Polícia Civil na região.