Região mantém tendência e volta a gerar vagas de emprego

As cinco cidades mais populosas do Alto Tietê continuam apresentando crescimento contínuo na geração de postos de trabalho, é o que mostrou ontem os dados disponibilizados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Os números mais atuais se referem ao mês de setembro, quando Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Poá contratam, juntas, 8.818 trabalhadores e demitiram 6.795, gerando um saldo positivo de 2.023 vagas de empregos criadas.

Conforme já publicado pelo Dat, em agosto o G5 da região obteve um saldo de 1.989, ou seja, para o mês de setembro o saldo positivo foi 1,7% maior.

Os números do Caged pontuaram, ainda, que em Suzano, no mês de setembro, houve 2.045 contratações e outras 1.666 demissões, o que representa um saldo positivo de 379.

Já na cidade de Mogi, o saldo foi ainda maior. Apesar dos 2.872 desligamentos, 3.497 novos trabalhadores foram empregados. Se contabilizado, ao final do mês o saldo positivo foi de 625, o mais alto dentre as cinco cidades mais populosas do Alto Tietê. É preciso lembrar, também, que Mogi é a maior cidade tanto em extensão territorial quanto em número de habitantes.

Próximo ao resultado de Mogi está o de Itaquaquecetuba, com 555 empregos criados. Segundo informações do Caged, 1.750 pessoas foram admitidas e outras 1.195 desligadas de seus respectivos empregos.

Poá e Ferraz também encerraram o mês de setembro com saldos parecidos, como ocorreu em Mogi e Itaquá. Na cidade de Ferraz houve 651 contratações e outras 389 demissões, resultando em um saldo de 226. Já em Poá, 673 trabalhadores foram dispensados e outros 875 ingressaram em novos empregos, um saldo positivo de 202.

Termômetro

Criado como registro permanente de admissões e desligamentos de empregados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o Caged é frequentemente utilizado pelo Programa de Seguro- Desemprego para conferir os dados referentes aos vínculos trabalhistas, além de outros programas sociais.

Este cadastro serve, ainda, como base para a elaboração de estudos, pesquisas, projetos e programas ligados ao mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que subsidia a tomada de decisões para ações governamentais.