Sob o clima do sexo

Sexo significa vida contínua: antecâmara da imortalidade! A força do nosso impulso sexual vem de imperativo genético, já programado, em cada um de nós, antes de nascer. Agora, o sexo a despeito de se constituir num impulso básico, vem de tornar-se enfadonho, ao se permiti-lo. Precisa-se explorar todo seu potencial para descobrir novas formas de expressá-lo e desenvolver a própria sexualidade, despertar novos e inesperados nichos, dessa experiência tão rica e desejável, capaz de aliar prazer e surpresa, dentro de sadia preocupação onde os mínimos detalhes é que contam.

À medida que se avança em anos o estímulo físico fica mais lento, talvez menos exigente, dependendo da estética corporal e do interesse de cada um.

A atmosfera é algo criado em nossa mente. Vivencia-se o que se imagina! Cada um é responsável pela condição de sua libido. Facilita muito imaginar que a parceira foi sempre a grande amante, a fim de provocar a sua reação. Grandes amantes aparecem aos pares, e qualquer pessoa pode ser um parceiro desse tipo, se desempenhar seu papel com entusiasmo, sua amante vai se mostrar à altura do desafio, ou da tentação!

Ter bons pensamentos é o primeiro passo para se exercitar. Ao criar sintonia com os desejos, começa-se a transmitir mensagens que balizam a reação que se deseja obter da parceira. A comunicação acontece em muitos níveis. Preparando ou arrumando uma refeição que se vai compartilhar com ela pode ser o primeiro passo para alcançar a criação do clima. Existem casais que encontram dificuldades em superar esta etapa.

Todo impulso tem origem na mente. De início permeia o corpo e começa a produzir sinais para estimular os amantes. Tudo o que se tem a fazer é relaxar. Deixar a experiência trabalhar e as mensagens fluírem. Descrever sentimentos e desejos, sempre ajuda. Estar em sintonia com o processo de excitação, pode deliberadamente, fortalecer os sinais até o ponto da amante reagir com paixão, o que traz prazer para o dois!