O pavio das queimadas

No último dia 22, o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Eduardo Bim, foi entrevistado na Globo News, com a presença do Jornalista Octavio Guedes na bancada.

Bim não conseguia responder com tranquilidade as indagações. O presidente do Ibama já foi logo de início questionado sobre a política de desmanche do instituto por ação do governo federal, algo que já estava sinalizado durante a campanha eleitoral de 2018, quando o então candidato Bolsonaro afirmava que o Ibama é uma indústria de multa.

Guedes relembrou que, em abril de 2019, o decreto
nº 9.760 criou facilidade para o não pagamento de multas por crimes ambientais, pois a instituição do Núcleo de Conciliação Ambiental tem provocado uma morosidade imensa. Desde a sua efetivação, apenas cinco audiências foram realizadas, das 7.205 agendadas. É um verdadeiro show de impunidade.

Isso justamente num momento em que batemos todos os recordes de queimadas. E com diversos indícios de que essas queimadas são criminosas e de grande interesse do setor do agronegócio.

O presidente do Ibama alegou falta de recursos, mas Guedes lembrou que os
R$ 124 milhões gastos com a operação verde brasil (que colocou as forças armadas no combate às queimadas na Amazônia) é bem próximo do orçamento anual do Ibama

Nos leilões de bacias sedimentares, apesar da norma técnica que veta a exploração de petróleo nos arredores de Abrolhos, ouve o leilão incluindo essas áreas, mas nenhuma petroleira demonstrou interesse nos blocos das bacias de Camamu-Almada e Jacuípe, pois sabiam que isso seria um problema.

Para concluir, ainda foi lembrado pelo jornalista que o Ibama, através do seu presidente, numa terça-feira de carnaval (expressão máxima do "passar a boiada") resolveu licenciar a exportação de cargas de madeira nativa retirada da floresta, o que era proibido nos últimos 8 anos, medida essa sustentada por 5 técnicos de carreira.

As queimadas da Amazônia e Pantanal têm interesses, rastros e pavio. E é um crime.