Rivais reiteram tática no último dia da TV

Meta é imunizar cerca de 600 mil paulistanos por dia
Meta é imunizar cerca de 600 mil paulistanos por dia - FOTO: Divulgação
As campanhas do prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), e do candidato do PSOL, Guilherme Boulos, redobraram a aposta em suas estratégias e recorreram ao tom emotivo e otimista no último dia de exposição na TV antes da votação no segundo turno.

Covas, que lidera as intenções de voto, procurou se apresentar na maior parte do chamado palanque eletrônico como um tocador de obras. No último programa, o tucano iria criticar de forma indireta o adversário, Guilherme Boulos (PSOL) e fazer um apelo para que os eleitores optem pela "experiência".

"Essa eleição é sobre quem tem mais experiência e mais condições de juntar forças para motivar São Paulo e oferecer a esperança de verdade. São Paulo é muito grande e diversa para estar a serviço de um único partido, de um projeto de poder. Não é hora de aventuras e de vender ilusões. Ninguém é dono da verdade."

Periferia

A campanha do candidato do PSOL na TV teve como foco a periferia, onde se concentra a maioria dos eleitores e o candidato ainda vê espaço para crescimento.

Conforme pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada anteontem, Boulos é mais desconhecido entre a parcela mais pobre da população - aquela que recebe até um salário mínimo por mês. Nela, 38% dizem não conhecer o candidato do PSOL o suficiente. Um em cada quatro paulistanos afirma não conhecer suficientemente Boulos. No caso do prefeito, apenas um em cada dez manifesta o mesmo desconhecimento.

Um fato que preocupa a campanha é a divulgação de vídeos nos quais aliados de Covas acusam Boulos de tentar explorar politicamente a doença do prefeito.

O PSOL procura explorar o noticiário negativo que envolve Ricardo Nunes, o candidato a vice na chapa do tucano .