Para reaquecer mercado, setor aposta em festas simuladas

Empresa simulou festa de debutantes completa para cinco famílias
Empresa simulou festa de debutantes completa para cinco famílias FOTO:
O setor de eventos certamente foi um dos mais prejudicados pela paralisação da atividade comercial e pelas medidas restritivas impostas pela pandemia da Covid-19. Seja pela proibição oficial para a realização de cerimônias ou pelo receio do público em se reunir para celebrações, muitos profissionais do setor ficaram em apuros e tiveram de improvisar para não fechar as portas.

Agora, passados quase sete meses da decretação do estado de pandemia, o setor de eventos de Mogi das Cruzes está propondo e realizando festas simuladas para divulgar os protocolos sanitários adotados e tentar reaquecer o mercado diretamente impactado.

Com o intuito de fechar a agenda do próximo ano, empresas do ramo estão convidando os interessados em realizar festas para participar de um evento simulado, com todos os atrativos que são oferecidos convencionalmente. Seguindo rígidos protocolos sanitários, os convidados são separados em mesas onde aproveitam todas as atrações das empresas, como a degustação dos pratos escolhidos pelos convidados, opções de fotógrafos para serem contratados, as músicas e o entretenimento gerado pelos DJs, entre outras atrações.

Para simular os convidados, blogueiras da cidade chegaram a participar do evento simulado, ampliando ainda mais a gama de profissionais incluídos na proposta de simulação.

No último dia 23, a proprietária de buffets Patricia Sarno Mendes promoveu sua primeira simulação de festa de debutante. Foram convidadas cinco jovens e suas famílias que estão procurando espaços para realizar suas festas de 15 anos.

"Fizemos uma simulação de tudo que acontece na festa de 15 anos, servimos todas nossas comidas para as pessoas terem noção do que é uma festa com a gente", contou a proprietária. "Usamos uma mesa para cada convidado, todos devidamente com máscaras. Em vez de levarmos cinco horas (para a realização do evento como é tradicional) levamos duas horas e meia", explicou. Ao final do evento, Patricia conta que duas aniversariantes fecharam o pacote com sua empresa.

Os planos da empresária acompanham o movimento do setor de eventos que prega pelo investimento em simulações para aquecer o mercado. Para este mês, a empresária promoverá festas de casamento nos mesmos moldes, convidando noivos e familiares para conhecerem o evento. "Vamos fazer a mesma coisa, simulando uma cerimônia no local que eles preferirem", completou Patricia. A empresária confirmou que outras empresas do ramo também estão apostando neste modelo de negócio para angariar mais clientes.

Conforme reportagem do Grupo Mogi News veiculada em 9 de agosto, o setor já apresentava dificuldades desde o início da pandemia, já que a realização de casamentos teve queda de 56,6% durante a pandemia do novo coronavírus em Mogi das Cruzes. Entre abril e julho, 445 casamentos civis foram registrados nos cartórios mogianos, menos que a metade do ano passado, quando 1.027 celebrações do tipo foram realizadas.

"Estamos tendo uma retomada mais intimista, com menos pessoas. Isso porque o pessoal ainda está com receio. Mas já começaram as cotações para o próximo ano", contou a empresária.

Deixe uma resposta

Comentários