Especialista aponta pandemia acelerando compras online

E-commerce trouxe 7 milhões de novos consumidores
E-commerce trouxe 7 milhões de novos consumidores - FOTO: Divulgação
Mesmo com o avanço de Mogi das Cruzes e todo o Alto Tietê para a fase verde do Plano São Paulo de Retomada Econômica, praticamente eliminando os impedimentos para o comércio físico, muitos consumidores ainda sentem receio de deixar suas residências para as compras convencionais.

Neste cenário, impulsionado pelo período em que o comércio de rua ficou de portas fechadas, a paralisação causada pela pandemia da Covid-19 acelerou o comportamento do consumidor confirmando as compras online como uma realidade.

Assim analisa Guilherme Minuzzi, coordenador de marketing e parcerias do sistema de gestão para a micro e pequenas empresas, denominado Bling. Em sua visão, o e-commerce não era apenas uma tendência, mas sim uma realidade, devido ao crescente índice de novos consumidores. Para Minuzzi, além de intensificar o hábito das compras digitais, o novo coronavírus despertou o interesse de empresários que não pensavam em vender online.

"Vejo que o cenário futuro é de um comportamento híbrido, com as pessoas comprando online e offiline e as lojas também vendendo online e offline", projetou o especialista. "Desta forma, acredito que os comerciantes estão preparados para a alta demanda vinda do online, a própria competição estimula uma busca maior por especialização", completou.

Analisando os dados apresentados pelo Procon de Mogi das Cruzes e exibidos na reportagem de ontem do Grupo Mogi News, que apontava 722 reclamações sobre compras online durante o período da pandemia, Minuzzi acredita que o aumento na quantidade de denúncias pode estar "diretamente associado ao isolamento social forçado pela pandemia da Covid-19", pois, segundo ele, o comércio eletrônico se apresentou como a principal alternativa às lojas físicas.

"Com a maior profissionalização dos lojistas no e-commerce e pelo fato de os consumidores estarem mais atentos, a tendência é que estes números diminuam", disse.

Questionado se acreditava em "despreparo" dos lojistas com o mercado online, o coordenador de marketing da plataforma foi enfático. "Não acredito em despreparo, mas sim num aumento absurdo de vendas online, que não era previsto. Ninguém imaginava um crescimento tão grande do e-commerce em tão pouco tempo, e isso obviamente impactou em índices de reclamação", avaliou o especialista.

Impulsionamento

Dados relacionados ao mercado digital e as negociações feitas pela internet confirmam a expansão da popularidade do e-commerce. Desde março, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), mais de 150 mil novos lojistas aderiram à plataformas online para realizar transações. Ainda de acordo com a Abcomm, mais de 7 milhões de novos consumidores também entraram no comércio digital. "A pandemia mundial, causada pela Covid-19, ajudou a expansão do e-commerce, sem dúvida, porque ela acelerou estes dois comportamentos", ponderou Minuzzi.

 

Deixe uma resposta

Comentários