PSD assina termo contra a instalação do pedágio

Os 33 candidatos a vereador do Partido Social Democrático (PSD) de Mogi das Cruzes assinaram um termo de compromisso no qual declaram ser contrários à implantação da praça de pedágio na rodovia Mogi Dutra (SP-88), pretendida pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). Os concorrentes da sigla se comprometeram, caso eleitos, a aplicarem todos os recursos disponíveis para barrar o projeto do posto de cobrança na rodovia mogiana.

A Artesp promete publicar o edital para a implantação do pedágio na rodovia em dezembro, o que cravaria de vez a derrota da cidade nessa batalha.

Dentre os candidatos do partido que assinaram o documento, estão os vereadores que cumprem mandato na Câmara - Antonio Lino, Claudio Miyake, Edson Santos e Otto Rezende. O documento é assinado também pelo deputado federal e o principal representante do partido na cidade, Marco Bertaiolli, e pela presidente da sigla no município, Neusa Marialva.

Segundo o deputado Bertaiolli, o PSD de Mogi das Cruzes fechou questão sobre o tema em reunião realizada com todos os candidatos. Para o parlamentar federal, o documento é um reforço "gigantesco" no sentido da cidade possuir vereadores declaradamente contrários à proposta do pedágio.

"O pedágio na Mogi-Dutra é uma proposta esdrúxula. Mesmo assim, é óbvio que vamos precisar de ação política intensa para combater essa proposta. Nós, do PSD, fechamos questão sobre o tema e os vereadores do PSD vão trabalhar veementemente contra essa proposta", explicou o deputado Bertaiolli.

A iniciativa foi viabilizada pela liderança da sigla em Mogi das Cruzes, mas, segundo o deputado, nada impede que outros municípios que também serão afetados pela praça de pedágio pretendida pela agência vinculada ao governo do Estado fechem questão sobre o tema.

"É uma iniciativa do PSD de Mogi por ser uma ação da Artesp no território de Mogi, mas ela pode ser ampliada com a adesão de outras cidades", completou. (F.A.)