TCE aponta déficit de 48 bombeiros para o Alto tietê

Região tem 215 profissionais; o ideal seria 263
Região tem 215 profissionais; o ideal seria 263 - FOTO: Daniel Carvalho/Mogi News
O 17º Batalhão do Corpo de Bombeiros, que atende oito municípios do Alto Tietê, incluindo as cinco cidades mais populosas da região, tem um déficit de 48 profissionais, segundo o levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O estudo analisou o Programa de Governo "Corpo de Bombeiros Preparados para Emergências com Foco na Gestão de Riscos", oriundo de auditoria operacional realizada em 2019 pela Corte como parte do processo de análise das contas estaduais. Em todo o Estado de São Paulo, o déficit real é de 1.184 profissionais.

Com um efetivo de 215 profissionais, o 17º Batalhão possui 82% do pessoal considerado como ideal para atender Mogi das Cruzes, Suzano, Itaquaquecetuba, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Biritiba Mirim, Guararema e Salesópolis, já que o Quadro Particular de Organização (QPO) da corporação, que define a quantidade de profissionais atuantes na área, determina 263 pessoas necessárias no batalhão.

Já no 5º Batalhão, responsável por Arujá, Santa Isabel e outros seis municípios da Região Metropolitana de São Paulo, o déficit é de 44 profissionais. São 236 pessoas atuando no batalhão quando o QPO indica a necessidade de 280.

Com base na média dos países membros da Associação Internacional de Fogo e Salvamento, que prevê a presença de um bombeiro para cada mil habitantes, o déficit do 17º Batalhão se torna ainda maior. Isso porque, juntos, os oito municípios atendidos pelo agrupamento possuem população estimada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) possuem população de 1.481.676 de habitantes, o que justificaria a presença de cerca de 1,4 mil bombeiros na região, cerca de 1,1 mil a mais do que há atualmente.

Recomendação

Ao analisar cenários e dados, que também trazem informações sobre a frota, a distribuição e a quantidade de profissionais por região, o relator dos autos, conselheiro Renato Martins Costa, recomendou que a corporação incentive os municípios a constituírem consórcios voltados a aumentar a quantidade de unidades operacionais dos bombeiros em suas regiões.

Outra recomendação da Corte é para que o Estado, por meio do Corpo de Bombeiros, estimule a realização de mais parcerias com entidades e órgãos integrantes da estrutura do Sistema de Atendimento de Emergências para auxílio do órgão, inclusive com a fomentação de Plano de Auxílio Mútuo (PAM) e da Rede Integrada de Emergência (Rinem).

Até o fechamento da reportagem, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) não havia se posicionado sobre o tema.

Policia Civil

O problema também se alastra na Polícia Civil. Segundo o presidente licenciado do Sindicato dos Policiais Civis de Mogi das Cruzes e Região, Waldir Fernandes, a quantidade de policiais civis em atividade vem diminuindo constantemente no Estado e na região. De acordo com ele, há 15 anos a Polícia Civil tinha um efetivo de 45 mil funcionários e no último levantamento, de meses atrás, apenas 26 mil.

Deixe uma resposta

Comentários