Apoio de quem ficou pelo caminho pode ser decisivo

Dias após a votação em primeiro turno das eleições municipais, o precioso eleitorado que votou nos candidatos derrotados no pleito começa a ser disputado por Marcus Melo (PSDB), 42,3% (81.555 votos) e Caio Cunha (Pode), 28,3% (54.591) que estarão frente a frente no segundo turno à Prefeitura de Mogi das Cruzes.

Entre os candidatos derrotados, dois se destacam pela expressiva quantidade de votos conquistados: Rodrigo Valverde (PT), com 17,3% (33.509 votos) e Felipe Lintz (PRTB), com 8,8% (16.971 votos), ou seja, juntos, os dois concorrentes que ficaram pelo meio do caminho somam cerca de 50 mil votos.

Ambos falam que será necessário dos candidatos habilitados ao segundo turno assumir alguns compromissos para que o apoio seja público. Ainda sem definições para quem será seu apoio oficial, Valverde esteve em reunião no final da noite de ontem com apoiadores, filiados ao partido e sua equipe de campanha, para que fosse definido qual caminho seria trilhado neste momento.

Valverde confirmou à reportagem que não tem condições de apoiar Marcus Melo depois da forte oposição exercida por ele na Câmara Municipal nos últimos quatro anos. "Preciso ver até que ponto essa ruptura do candidato Caio Cunha é apenas com Marcus Melo ou se é com todo o grupo que comanda a cidade", explicou o vereador, condicionando seu apoio a Cunha no segundo turno. "Só vou apoiá-lo se atender algumas de minhas bandeiras do plano de governo e cortar privilégios", completou. O anúncio oficial sobre o apoio de Valverde deve ocorrer hoje.

No mesmo sentido, Felipe Lintz também afirmou que não irá apoiar Marcus Melo no segundo turno. Na tarde de ontem, o candidato publicou nas suas redes sociais, principal plataforma utilizada durante sua campanha, uma carta aberta com exigências para que o apoio fosse público. Dentre as solicitações está a redução de secretarias, auditorias em contratos públicos e atenção a todo sistema de saúde, em especial a Santa Casa. "Não vou apoiar Marcus Melo, isso é certo", cravou Lintz à reportagem. "O apoio ao Caio Cunha vai depender de ele assumir publicamente alguns destes compromissos", completou.

Miguel Bombeiro (Pros), 1,2% (2.319 votos); Michael Della Torre (PTC), 1,07% (2.058 votos); e Fred Costa (PDT), 0,96% (1.850 votos) também não divulgaram o apoio para o segundo turno. A decisão deve ser anunciada hoje.

Buscando a reeleição, Marcus Melo afirmou que já esteve em algumas ligações com os outros candidatos ontem, mas que ainda nenhum apoio foi oficializado, e que aguardava confirmação. Caio Cunha foi no mesmo sentido, preferindo não adiantar nenhum apoio.

Além dos derrotados, outro apoio cobiçado é do deputado federal Marco Bertaiolli (PSD). Marcus Melo disse que esteve com o deputado na última segunda-feira e que ele reafirmou o apoio para sua campanha. "Ele, como mogiano, não quer a cidade na mão de alguém sem experiência", disse. "Em momento certo, ele vai ter a oportunidade de mostrar seu apoio", completou.

Já Caio Cunha disse que ainda não conversou com Bertaiolli, mas acredita que agora o deputado não cometerá o erro que cometeu há quatro anos, ao indicar o atual prefeito como seu substituto.

Questionado pela reportagem sobre ter sido procurado pelos candidatos que disputarão o segundo turno, o deputado Bertaiolli disse que os três candidatos do PSD eleitos à Câmara já estão trabalhando neste tema. "O PSD sai como um dos mais vitoriosos dessa eleição no Brasil. E estou bem contente com o resultado em Mogi, com três cadeiras", despistou Bertaiolli.