Caio Cunha vira e vence com 58,67% dos votos

Confiante na vitória, Caio Cunha votou na Escola Estadual Aprígio de Oliveira
Confiante na vitória, Caio Cunha votou na Escola Estadual Aprígio de Oliveira - FOTO: Divulgação
Histórico, de virada e com folga. Assim pode ser definida a eleição do novo prefeito de Mogi das Cruzes: Caio Cunha (Pode). Com 114.656 votos (58,39% dos válidos), o ex-vereador ligado à juventude e carregando a bandeira da transparência na gestão pública derrotou o atual prefeito, Marcus Melo (PSDB), que ficou com 81.714 votos (41,61%), e quebra a hegemonia do grupo político que administrou a cidade nas últimas quatro décadas.

"É um passo para aquilo que queremos construir juntos, um passo para aquilo que a gente almeja como cidade. Sempre sonhamos por uma Mogi mais justa, orientada por pessoas", disse Caio Cunha durante a coletiva de imprensa realizada em seu comitê logo após o anúncio oficial do resultado. "Essa eleição concretiza o novo ciclo para nossa cidade", completou o prefeito eleito agradecendo sua família e equipe.

Com o resultado de ontem, Cunha quebra a tradição de mandatos dos ex-prefeitos e suas indicações. Junji Abe (à época no PSDB) comandou Mogi entre 2001 e 2008, passou o Executivo para Marco Bertaiolli (PSD), que ficou no posto mais alto da Prefeitura até 2016, quando Melo assumiu o cargo.

Durante a campanha, classificada por Cunha como "de baixo custo" e "feita de pessoas para pessoas", o político teve pouco tempo de televisão, e se valeu das redes sociais, espaço que domina e no qual detém sua base de seguidores.

Ainda representando o momento histórico de Mogi, a professora Priscila Yamagami (Pode) é a primeira mulher vice-prefeita eleita em Mogi das Cruzes (leia mais ao lado).

Prometendo pessoas técnicas nos cargos e a revisão em todos os contratos públicos, Cunha disse que a equipe de transição para assumir a Prefeitura já está quase delimitada.

"Garanto que tudo que for bom vai continuar e ser melhorado, a gente só está definindo a forma e como fazer Mogi uma cidade melhor", garantiu o próximo prefeito.

Planejamento

Também durante a entrevista coletiva, Caio Cunha se mostrou interessado em tomar mais conhecimento sobre a saúde financeira do município. Classificando como ponto importante para seu cronograma de desenvolvimento de Mogi, o vereador afirmou querer levantar a fundo os valores dos contratos e o endividamento da cidade.

Questionado sobre o ponto estratégico que deu certo em sua campanha, Cunha voltou a utilizar o mesmo discurso da campanha, afirmando que é possível fazer a diferença na gestão pública.

"Em 2012 a gente era um grupo de moleques que deu certo, e agora ocupando o principal cargo da cidade, mostrando que é possível fazer diferente com pessoas, quando tem um propósito lá na frente é fatal", completou.

A partir de 2021, Cunha terá a minoria de vereadores na Câmara Municipal eleita em sua coligação, mas, mesmo assim, vai encontrar um cenário com menos vereadores da base do atual prefeito. Sobre o tema, o prefeito eleito, que conhece bem o funcionamento do Legislativo mogiano, disse que a renovação na Câmara mostra o recado da população para os parlamentares. "Os vereadores entenderam o recado da Câmara. Peço que eles me fiscalizem, me ajudem a construir uma cidade melhor", disse.

De vereador menos votado em 2012 à Prefeitura da maior cidade do Alto Tietê, Caio Cesar Machado da Cunha, 42 anos, se elegeu com mais que o dobro dos votos adquiridos no primeiro turno. Enquanto na primeira rodada de votação, o prefeito eleito obteve 54.591 votos, ontem recebeu 114.656, demonstrando que os eleitores dos candidatos derrotados no primeiro turno, em especial de Rodrigo Valverde (PT) e Felipe Lintz (PRTB), migraram em massa para ele. Já o atual prefeito Marcus Melo conseguiu apenas 159 novos eleitores entre os dois turnos.

Com o discurso de, a partir do próximo ano, investir em uma gestão participativa, com inovação e planejamento a longo prazo para o desenvolvimento da cidade, Cunha ganhou apoiadores, conquistou o eleitorado e obteve a votação vitoriosa.