Sem ampliar votos no segundo turno, Marcus Melo é derrotado

Naufel propõe medidas
das cidades em conjunto
Naufel propõe medidas das cidades em conjunto - FOTO: Ney Sarmento/ Prefeitura
Vitorioso no primeiro turno das Eleições Municipais 2020 em Mogi das Cruzes, o atual prefeito Marcus Melo (PSDB) praticamente não conseguiu ampliar sua quantidade de votos e perdeu o posto mais alto do Executivo, sendo e derrotado ontem, nas urnas.

Com apenas 159 votos a mais do que recebera no primeiro turno, o atual administrador municipal encerrou o segundo turno com 81.714 votos (41,6%), insuficientes para acirrar a disputa com o vencedor do pleito, o atual vereador Caio Cunha (Pode), que mais que dobrou seu número de eleitores e conquistou 114.656 votos (58,3%).

Assim que o resultado se tornou oficial pela Justiça Eleitoral, o tucano entrou em contato com o vencedor da disputa para desejar sorte no comando do Executivo e garantir uma transição pacífica, que já deve ser iniciada em breve - provavelmente na semana que vem - , já que Caio Cunha assumirá o cargo em pouco mais de um mês.

Em nota, Marcus Melo pediu união entre os mogianos, deixando claro que "Mogi não pode continuar dividida". "Aos meus eleitores e apoiadores, peço um favor: a eleição acabou hoje (ontem), a partir de amanhã (hoje) é vida que segue", pediu o atual prefeito. "Quero aqui agradecer aos mogianos que acreditaram em nossas propostas", completou.

Melo deixa uma série de obras concluídas enquanto prefeito de Mogi e outras tantas em andamento que faziam parte de suas pretensões. Considerando uma eleição difícil, Melo afirmou ter convicção de que fez seu melhor, ciente da necessidade do respeito a vontade dos mogianos.

"Amo essa cidade e, por isso, desejo boa sorte ao Caio Cunha, que ele dê continuidade aos bons projetos que iniciamos", destacou em nota o chefe do Executivo.

Ficam como legado e desafio para os próximos quatro anos, obras iniciadas durante sua gestão, como a construção da Maternidade Municipal em Braz Cubas, o Complexo Integrado de Atendimento à Saúde, a construção do novo ginásio municipal, a vinda do Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Central de Inteligência.

Nascido em 1º de setembro, no dia do aniversário da cidade, Melo foi eleito prefeito em 2016 com mais de 64% dos votos.

Alguns pontos tidos como falhas em sua gestão contribuíram para o resultado negativo de ontem. Talvez motivo de maior desgaste de sua gestão tenha sido o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em 2017, que gerou protestos na cidade e voltou à tona durante a campanha eleitoral deste ano.

A perda do apoio mais próximo do deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) - que o lançou politicamente em 2016 - também teve reflexo nas urnas. Com intensidade, o parlamentar federal apareceu apenas na reta final da campanha de Melo e o apoio de Bertaiolli não angariou mais votos para o peessedebista no segundo turno.

Mais recentemente, praticamente uma semana antes do segundo turno, Melo foi flagrado em uma comemoração de um vereador de sua base que foi eleito, onde foi visto sem máscara e compartilhando um narguilê com um grupo de jovens. O vídeo circulou pelas redes sociais e fez com que Melo viesse a público se pronunciar sobre o caso.

Naufel

Logo após a derrota de Melo, o secretário municipal de Saúde, Henrique Naufel, se mostrou disposto a auxiliar na transição de sua equipe para a nova, durante a pandemia da Covid-19, e desejou sorte ao novo prefeito.

"Vamos receber bem a próxima equipe e mostrar o que vem sendo feito", argumentou Naufel. "Espero que o próximo secretário dê valor aos funcionários de carreira, e ao trabalho sério que é realizado", completou o titular da Pasta.