Comércio sofre novamente restrição para atendimento

Solução é adotar medidas usadas no início da pandemia
Solução é adotar medidas usadas no início da pandemia - FOTO: Foos: Mogi News/Arquivo
Mogi das Cruzes e todo o Alto Tietê retornarão, a partir de amanhã, à fase amarela do Plano São Paulo de controle sanitário e flexibilização econômica. Todas as cidades do Estado de São Paulo, incluindo a capital, também terão de adotar medidas mais restritivas até 4 de janeiro.

Com o regresso geral para a terceira das cinco fases do Plano São Paulo, anunciado um dia após o segundo turno das eleições municipais, atividades como bares, restaurantes, academias, salões de beleza, shoppings, escritórios, concessionárias e comércios de rua voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.

O atendimento presencial em todos os setores fica restrito a dez horas diárias, sequenciais ou fracionadas, e 40% de capacidade. Os estabelecimentos terão de cessar o atendimento local até as 22 horas. Todos os eventos com público em pé estão proibidos na fase amarela.

Durante o anúncio da obrigatoriedade das medidas restritivas no Estado, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a medida tem como objetivo reduzir o contágio e evitar pressão sobre o sistema de saúde. "É uma medida de prudência que estamos tomando para melhorar o controle da pandemia", disse o governador.

O Comitê Gestor da Retomada Gradativa das Atividades Econômicas da Prefeitura de Mogi das Cruzes informou que aguarda a publicação do Decreto Estadual, que estabelece a reclassificação e as regras para o funcionamento das atividades.

Segundo o presidente do comitê, Juliano Abe, a cidade tem respeitado e cumprido as regras estabelecidas pelo Plano São Paulo, entretanto, na visão dele, existem especificidades que foram adequadas e readequadas ao longo do tempo na fase amarela. "Caso não haja a publicação do decreto nesta terça-feira (hoje), publicaremos um decreto de acordo com a interpretação das últimas regras estabelecidas para esta fase", explicou o responsável pelo grupo.

Para discutir medidas adicionais e conjuntas de controle da pandemia, os prefeitos de Mogi, Suzano, Itaquaquecetuba, Ferraz de Vasconcelos, Poá e Arujá, participam hoje de uma videoconferência com o governador Doria. Ao todo, 62 cidades foram confirmadas na reunião online.

Ocupação de leitos

Com a redução na quantidade de leitos causada pela aparente estabilidade observada no início de novembro nos principais indicadores referentes à pandemia, a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de enfermaria em Mogi das Cruzes é de 78%, com 30 dos 47 leitos de enfermaria ocupados e 70 dos 89 de UTI sendo utilizados atualmente.

O número atual de leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes com coronavírus em Mogi é 52,5% menor do que o registrado durante a alta da pandemia na cidade. Entre julho e agosto, o município chegou a disponibilizar 118 acomodações do tipo, hoje são 56. O número de leitos de enfermaria também teve redução.

Segundo atualização do Plano São Paulo apresentada ontem, as internações são responsáveis por colocar a Grande São Paulo (que a título de avaliação do Estado inclui o Alto Tietê) na fase amarela, com uma variação de 1,05% superior nos últimos sete dias e média de 48,4 registros para cada 100 mil habitantes. A ocupação dos leitos de UTI é de 58,5%.

 

HISTóRICO DO PLANO SãO PAULO

24/03

Primeira quarentena é decretada pelo governo estadual. Inicialmente planejado para o período de 15 dias, estão vetados o funcionamento de bares, restaurantes, cafés, casas noturnas, shopping centers e galerias, academias e centros de ginástica, espaços para festas, casamentos, shows e eventos, escolas públicas ou privadas.

10/06

O Alto Tietê avança da fase vermelha do Plano São Paulo para a laranja, com abertura de shoppings centers, comércio e serviços, com capacidade máxima de 20% no atendimento e horário reduzido a quatro horas seguidas.

13/07

A região avança para a fase amarela do Plano São Paulo. Além de atender os setores que permaneciam fechados para atendimento presencial, o avanço representa a permissão de funcionamento do comércio de quatro para seis horas, além do aumento para 40% na capacidade de atendimento.

05/08

O governo do Estado de São Paulo anuncia a liberação para bares, restaurantes, padarias e outros estabelecimentos de alimentação funcionarem no período noturno. Na mesma data, cinemas, teatros e eventos recebem a liberação para funcionamento.

09/10

O Alto Tietê avança para a fase verde do Plano São Paulo, e, com isso, adquire liberação para maior flexibilização nos setores que estavam em atividade, com destaque para comércio e serviços, que puderam funcionar por 12 horas. Além disso, a capacidade de atendimento ao público é ampliada para 60%.

30/11

Mogi das Cruzes e todo o Alto Tietê retornam à fase amarela do Plano São Paulo de controle sanitário e flexibilização econômica até o dia 4 de janeiro. Atividades como bares, restaurantes, academias, comércio de rua, dentre outras, voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.

O QUE MUDA?

Fase amarela. O que muda?

Como era (fase verde)

Horário de funcionamento
Autorizado por 12 horas diárias, com limite de funcionamento até a meia-noite.
Capacidade
60% da capacidade do estabelecimento
Eventos
Liberados eventos com público em pé.


Como vai ser (fase amarela)

Horário de funcionamento
Autorizado por 10 horas diárias, com limite de funcionamento até as 22 horas.
Capacidade
40% da capacidade do estabelecimento
Eventos
Proibidos eventos com público em pé.

Deixe uma resposta

Comentários