Reforma Protestante mudou história da igreja no mundo

Martinho Lutero pregou suas teses na porta de igreja
Martinho Lutero pregou suas teses na porta de igreja - FOTO: Reprodução
O Dia da Reforma Protestante celebra o movimento iniciado por Martinho Lutero e suas 95 teses pregadas nas portas da Igreja do Castelo de Wittenberg, na Alemanha, em 31 de outubro de 1517. No último sábado, cristãos ao redor do mundo celebraram 503 anos do acontecimento que mudou a história da igreja. A Reforma Protestante é o nome dado ao movimento que surgiu no cristianismo no século XVI, tendo à frente Martinho Lutero, um monge católico, que divulgou 95 teses, que rapidamente espalharam-se pela Europa e deram origem ao reformismo no seio da Igreja Católica. Da atuação de Lutero, surgiu o protestantismo.

A Reforma Protestante teve causas relacionadas a aspectos políticos, econômicos e teológicos da época, como a corrupção existente na Igreja Católica. Além disso, nobres  viram na reforma uma possibilidade de romper o vínculo de autoridade com o papa e outros de por fim aos impostos cobrados.

A insatisfação e as críticas à Igreja Católica tiveram seu ápice em Martinho Lutero, monge agostiniano e professor de Teologia. Lutero estava insatisfeito com certas condutas da Igreja, sobretudo com as indulgências. Essa prática acontecia por meio de dízimos pagos à Igreja em troca do perdão de pecados.

Além disso, o papa Leão X havia oferecido indulgências para aqueles que contribuíssem para a construção da Basília de São Pedro. Lutero tinha também discordâncias de conteúdo teológico a respeito da salvação e de outras práticas e ações da Igreja. Com isso, o monge elaborou um documento conhecido como 95 teses.

A partir de então, as ideias de Lutero espalharam-se pela Europa. Nesse momento, a intenção de Lutero não era romper com a Igreja Católica, ele queria apenas uma reforma em determinadas questões. O rompimento com a Igreja Católica só aconteceu quando foi excomungado em 1521.

95 teses

As 95 teses, documento no qual Lutero manifestava sua oposição teológica foram enviadas para o arcebispo de Mainz, Alberto de Brandemburgo, em 31 de outubro de 1517. A intenção era levantar um debate para que reformas acontecessem.

Martinho Lutero defendia, basicamente, que a Bíblia era a única referência para os fiéis e que as pessoas conseguiriam ser salvas sem a mediação de intermediários e sem indulgências. A base teológica de Lutero era o versículo bíblico que afirmava que "o justo viverá pela fé". Lutero passou a defender que não eram as boas ações que salvariam uma pessoa, mas sim a fé.

A construção teológica iniciada por Martinho Lutero deu origem a um princípio conhecido como Cinco Solas:

1. Sola fide (somente a fé)

2. Sola scriptura (somente a Escritura)

3. Solus Christus (somente Cristo)

4. Sola gratia (somente a graça)

5. Soli Deo gloria (glória somente a Deus)

As 95 teses espalharam-se com rapidez por conta da imprensa (criada em 1430 por Johann Gutenberg).

CURTAS

STF julga ideologia de gênero

Uma ação que pede a entrada obrigatória da ideologia de gênero nas escolas está com julgamento agendado para o próximo dia 11 de novembro (quinta-feira), pelo STF. O relator da ação é o ministro Edson Fachin. Segundo o próprio site do STF, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5668) ajuizada pelo PSOL, “pede que o Supremo Tribunal Federal (STF) dê interpretação conforme a Constituição Federal ao Plano Nacional de Educação (aprovado pela Lei 13.005/2014) para reconhecer o dever constitucional das escolas públicas e particulares de prevenir e coibir o bullying homofóbico, consistente em discriminações por gênero, identidade de gênero e orientação sexual, bem como de respeitar a identidade de crianças e adolescentes LGBT no ambiente escolar”. Na ação, o PSOL pede uma liminar que garanta que as escolas particulares e públicas a permitam a “manifestação de comportamentos entendidos como de pessoas homossexuais, bissexuais, assexuais, travestis, transexuais ou intersexos, respeitando a identidade de gênero com a qual se identificam crianças e adolescentes”, segundo o STF informou em seu site.

Fala foi “tirada de contexto”, diz Vaticano

Alguns dias após a repercussão da fala do Papa Francisco de que homossexuais também são filhos de Deus e, por isso, têm o direito a uma família, o Vaticano se pronunciou para explicar a declaração. Segundo a nota da Santa Fé, a fala foi tirada de contexto e não mudam a posição da Igreja, que considera as relações homossexuais como pecado e não reconhece o casamento homoafetivo. “As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”, disse o Papa, no documentário “Francesco”, que estreou no festival de Roma, em 21 de outubro. De acordo com o Vaticano, o documentário cortou comentários em que o papa expressou oposição ao casamento homossexual e que deixavam claro que ele se referia às leis de união civil, que alguns países promulgaram para regular benefícios, como plano de saúde. A declaração foi divulgada em uma nota da Santa Sé aos núncios — que são como embaixadores do Vaticano nos países. Segundo a nota, Francisco teria dito que “falar em casamento entre pessoas do mesmo sexo é algo incongruente”. Essa frase, porém, de acordo com o Vaticano, foi cortada.

Marcha para Jesus tem carreata e drive-in

Em função da pandemia do novo coronavírus, a Marcha Para Jesus foi realizada em um novo formato, na segunda-feira (2). Em vez da tradicional caminhada, os fiéis da Igreja Renascer em Cristo acompanharam o evento em uma carreata, na capital paulista. A carreata saiu por volta 14 horas, do Obelisco do Ibirapuera. Os participantes seguiram rumo ao Pavilhão de Exposições do Anhembi, onde acontece um show gospel no formato drive-in. Nas redes sociais, os líderes da igreja, bispa Sônia Hernandes e o apóstolo Estevam Hernandes, compartilharam fotos e vídeos da programação. A 28ª edição da marcha contou com a participação de artistas como Leandro Borges, Mariana Valadão, Juliana Silva, Kemuel, Casa Worship, Renascer Praise e Ton Carfi. O local do show teve vagas limitadas para 1.500 veículos, que foram previamente cadastrados. Fora isso, cada carro levou no máximo quatro pessoas. Por meio das redes sociais, a igreja divulgou fotos da arrecadação de alimentos durante a carreata. O objetivo é ajudar famílias carentes. “Hoje, na maior carreata dos tempos, estamos realizando a coleta dos alimentos. Nosso maior objetivo nessa manhã é arrecadar alimentos e ajudar milhares de famílias”, destacou o perfil da igreja, no Instagram.c

Deixe uma resposta

Comentários