Santos abre as oitavas contra a LDU na altitude do Equador

Com a missão de superar os desfalques, a altitude de Quito e o rival equatoriano para chegar em boas condições de decidir a vaga na próxima semana, em casa, o Santos abre hoje as oitavas de final da Copa Libertadores contra a LDU, em jogo marcado para começar às 19h15.

O Santos avançou com a segunda melhor campanha geral da primeira fase da Libertadores, atrás apenas do Palmeiras, na liderança do Grupo G, com 16 pontos e invicto. Já a LDU se classificou na segunda colocação da chave que tinha o São Paulo, eliminado, e o River Plate, que terminou como líder. O duelo de volta está marcado para o dia 1º de dezembro, próxima terça-feira, na Vila Belmiro.

Será a terceira vez que as equipes se enfrentarão na história da Libertadores. Em 2004, pelas oitavas de final, o time brasileiro levou a melhor na decisão por pênaltis, após perder fora por 4 a 2 e vencer em casa por 2 a 0. Já no ano seguinte, o confronto foi pela fase de grupos. Cada rival venceu seu jogo em casa - o Santos por 3 a 1, e a LDU, por 2 a 1.

Desfigurado nos últimos confrontos da temporada pelo surto de Covid-19 que atingiu boa parte de seu elenco, o Santos segue com desfalques importantes. Madson, João Paulo e Sandry voltaram a testar positivo para o novo coronavírus, bem como o auxiliar técnico Eudes Pedro e o gerente de futebol Jorge Andrade, e não puderam entrar no Equador.

O zagueiro Luan Peres e o atacante Ângelo ainda cumprem o período de isolamento pelo coronavírus e o volante Jobson está suspenso. O técnico Cuca ainda está sob cuidados médicos após se recuperar da doença e também não viajou com o grupo. A equipe será novamente comandada pelo auxiliar Marcelo Fernandes.

Além das baixas, outro desafio será atuar na altitude de quase três mil metros. O grupo está desde domingo em Quito, onde se prepara para encarar as dificuldades geradas pelas condições adversas. O grande trunfo segue sendo Marinho, craque e artilheiro do time na temporada.

"A diferença é brutal do nível do mar para 2.850 metros, onde nos encontramos. Por exemplo, quando você bate, se o goleiro sair junto com a bola, você não consegue chegar. A preferência dessa adaptação é estudar esse tempo de bola. Dá para pegar um pouco da velocidade, ter noção do tempo de bola, que é fundamental. As dificuldades aqui aumentam", explicou o preparador de goleiros Arzul.

A LDU vive bom momento e chega para o confronto com a moral de ter vencido o primeiro turno do Campeonato Equatoriano e de ter avançado ao lado do River Plate no "grupo da morte".

Deixe uma resposta

Comentários