Vacinação em SP começa em janeiro

O governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), disse estar "indignado" com a previsão, feita anteontem, pelo Ministério da Saúde, de que a imunização dos brasileiros contra a Covid-19 seria iniciada apenas em março do próximo ano. Segundo o governador, o Estado não irá esperar que se confirme a previsão do governo federal e iniciará a aplicação da vacina em São Paulo já em janeiro.

Para o coordenador executivo do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, assim que o Instituto Butantan concluir a terceira fase de testes clínicos, o imunizante estaria apto para uso emergencial. Conforme informou, a previsão de entrega do relatório à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é 14 ou 15 de dezembro.

Segundo o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, "em janeiro, milhares de pessoas vão ficar doentes". "Estamos perplexos com estimativa de começar vacinação em março", reforçou Covas.

Na manhã de ontem, Doria recepcionou no Aeroporto de Guarulhos segunda remessa de 600 litros a granel da coronavac, o suficiente para a produção de 967.741 doses do imunizantes.

Com isso, mais 1 milhão de doses já estão no Brasil. A previsão do governo estadual é receber, até o fim de dezembro, mais 6 milhões de doses e, em janeiro, mais 40 milhões.

O Estado de São Paulo registrou, até a tarde de ontem, 1.267.912 casos confirmados de contaminação pela Covid-19 e 42.637 óbitos. Entre quarta-feira e ontem foram registrados 8.208 novos casos, alta de 0,7% em 24 horas, e 181 novas mortes, aumento de 0,4%.

Segundo dados da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o Estado registrou 1.474 novas internações em um único dia, o número mais alto desde 10 de setembro, quando 1.524 pessoas deram entrada no serviço hospitalar.