Hospitais abrem leitos e reduzem cirurgias

Com o novo aumento de casos de Covid-19, hospitais privados de São Paulo aumentam leitos e reduzem cirurgias não urgentes esperando uma segunda onda da doença. Unidades do Rio e da Região Sul já enfrentam um pico de infecções tão severo quanto o do primeiro semestre.

Em São Paulo, nove hospitais tiveram aumento expressivo de internações no último mês e se viram obrigados a ampliar as alas dedicadas à Covid. No Albert Einstein, o total de internados, que há um mês era estável em 55, chegou ontem a 106. A instituição reduziu o número de cirurgias eletivas agendadas e vem transformando leitos comuns em UTIs.

"Hoje mesmo (ontem) transformamos dez leitos em semi-intensiva. Quando observamos o aumento de casos agravados da doença, colocamos um limite de 110 cirurgias agendadas por dia", explica Sidney Klajner, presidente do Einstein. Antes da alta de infecções, o hospital chegou a fazer mais de 150 operações diárias. (E.C.)