Mogi é uma das 17 cidades em que ocorreu virada no 2º Turno

A virada no segundo turno que ocorreu em Mogi das Cruzes também pôde ser obervada em outras 17 das 57 cidades brasileiras que não tiveram o resultado definido em 15 de novembro.

No último domingo, o vereador Caio Cunha (Pode) foi eleito o próximo prefeito com 58,39% dos votos contra 41,61% do atual chefe do Executivo Marcus Melo (PSDB). No primeiro turno, o vereador obteve 28,31% dos votos, contra 42,29% do tucano. O atual prefeito teve apenas 159 votos a mais do que na primeira rodada, terminando com 81.714 votos, contra 114.656 do prefeito eleito, que recebeu mais que o dobro dos votos entre os turnos.

O número alto de virada nos resultados em relação ao primeiro turno nas Eleições Municipais 2020 é um recorde, já que desde 1996 não haviam tantas reviravoltas quanto neste ano.

Outras cidades

Além de Mogi, outras cinco cidades paulistas também apresentaram a virada nas urnas. Mauá, Taboão da Serra, São Vicente, Piracicaba e Franca viram os vencedores do primeiro turno serem derrotados na segunda rodada de votação. Ocorreram reviravoltas também nas capitais Manaus (AM), Cuiabá (MT) e Maceió (AL), e nos municípios Caxias do Sul e Santa Maria (RS); Feira de Santana e Vitória da Conquista (BA); Caucaia (CE), Joinville (SC), Ponta Grossa (PR) e São Gonçalo (RJ).

Apesar da virada em Mogi ser expressiva, devido a grande quantidade de votos conquistados por Cunha no segundo turno, a ultrapassagem mais significativa foi vista em Caxias do Sul (SC). Adiló Didomenico (PSDB), que terminou o primeiro turno com 15,45% dos votos válidos contra 34,17% de Gilberto José Spier Vargas (PT), disparou para 59,57% dos votos no segundo turno e deixou o adversário para trás, com 40,43%.

Dentre esses municípios, Taboão da Serra teve a vitória mais apertada, quando Aprígio da Silva (Pode) venceu com apenas 1.695 votos de diferença, 50,63% contra 49,37% de seu adversário, Daniel Plana Bogalho (PSDB). No primeiro turno, Daniel largou com 33,42% e Aprígio, 32,01%.

Histórico

Além da virada no segundo turno, a vitória de Caio Cunha trouxe o fenômeno inédito em Mogi das Cruzes. Aos 48 anos, a professora Priscila Yamagami (Pode) entrou para a história da cidade sendo a primeira mulher a assumir um posto de vice-prefeita. A professora Priscila deve ser atuante na próxima gestão.