Região regride para a fase amarela a partir de amanhã

Mogi das Cruzes e todas as cidades do Alto Tietê retornam, a partir de amanhã, à fase amarela do Plano São Paulo de controle sanitário e flexibilização econômica. Todas os municípios do Estado de São Paulo, incluindo a capital, também terão de adotar medidas mais restritivas até o dia 4 de janeiro.

Com o regresso geral para a terceira das cinco fases do Plano São Paulo, anunciado um dia após a realização do segundo turno das eleições municipais no domingo passado, atividades como bares, restaurantes, academias, salões de beleza, shoppings, escritórios, concessionárias e comércios de rua voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.

O atendimento presencial em todos os setores fica restrito a dez horas diárias, sequenciais ou fracionadas, e 40% de capacidade. Os estabelecimentos terão de cessar o atendimento até as 22 horas. Todos os eventos com público em pé estão proibidos na fase amarela.

Inicialmente planejado para o período de 15 dias, a primeira quarentena em todo o Estado começou a valer em 24 de março, quando estavam vetados o funcionamento de bares, restaurantes, cafés, casas noturnas, shopping centers e galerias, academias e centros de ginástica, espaços para festas, casamentos, shows e eventos, escolas públicas ou privadas.

Após avanços nas fases de maior flexibilização das medidas - sem nenhum retrocesso na região no período - o Alto Tietê alcançou a fase verde do Plano São Paulo no início de outubro, estágio que deixa hoje, já que amanhã começa a valer o novo decreto da fase amarela.

Durante o anúncio da obrigatoriedade das medidas restritivas no Estado, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a medida tem como objetivo reduzir o contágio e evitar pressão sobre o sistema de Saúde. "É uma medida de prudência que estamos tomando para melhorar o controle da pandemia", disse o governador.

Ocupação de leitos

Com a redução na quantidade de leitos causada pela aparente estabilidade observada no início de novembro nos principais indicadores referentes à pandemia, a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na sexta-feira era de 66%, com 38 dos 57 leitos sendo utilizados, menor do que no início da semana, quando chegou à casa dos 78%. Isso ocorreu pela remessa de 20 novos respiradores à cidade para a montagem de novas UTIs. Já os leitos de Enfermaria estão com 91% de ocupação, 81 dos 89 disponíveis.

Segundo a atualização do Plano São Paulo apresentada no início da semana, as internações são responsáveis por colocar a Grande São Paulo (que a título de avaliação do Estado inclui o Alto Tietê) na fase amarela, com uma variação de 1,05% superior nos últimos sete dias e média de 48,4 registros para cada 100 mil habitantes. A ocupação dos leitos de UTI no Estado é de 58,5%.

Deixe uma resposta

Comentários