Mogi é uma das cem melhores cidades para se fazer negócio

Levantamento realizado pela empresa Urban Systems mostra que Mogi das Cruzes está entre os cem municípios brasileiros com maiores potenciais para se investir nos setores da Indústria, do Mercado Imobiliário, do Comércio e Agricultura. O estudo "Melhores Cidades para Fazer Negócios 2.0", versão 2020, é produzido anualmente desde 2014 para a revista Exame.

Cada setor apresenta um ranking elaborado por meio da metodologia de análise estatística chamada Índice de Qualidade Mercadológica (IQM). De acordo com o estudo, o objetivo é servir como parâmetro para a qualificação de uma determinada área, sintetizando variedade de informações populacionais, comerciais, urbanísticas, econômicas e infra estruturais, e hierarquizar os lugares com maiores potenciais para investimentos. Além de Mogi, também estão no levantamento Suzano, Poá, Ferraz de Vasconcelos e Itaquaquecetuba.

Para o cálculo dos indicadores são levados em conta os eixos: evolução do setor; oferta concorrente; impacto da pandemia de coronavírus (Covid-19); demanda e/ou crescimento da demanda; e infraestrutura complementar. O estudo foi realizado com a análise de informações e dados de todos os municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, totalizando 326 cidades e 121,9 milhões de pessoas.

Na Indústria, Mogi aparece na 90ª posição entre as cem melhores ranqueadas (IQM 5,618). Para estabelecer o índice foram avaliados os critérios: empregos no setor; quantidade postos de trabalho com média e alta remuneração; número de estabelecimentos industriais; renda do trabalhador da área; exportação; distância do aeroporto; distância do porto; paralisações nos serviços de abastecimento de água; rodovias federais; e percentual de empregos na indústria sobre o total de empregos formais da cidade. Suzano surge na 19ª posição, com um IQM de 6.,071, enquanto Poá aparece na 84ª, Ferraz na 13ª e Itaquá na 27ª, com IQMs de 5,655; 6,117 e 5,959, respectivamente.

Já em relação ao mercado imobiliário, Mogi é o 68º município no ranking nacional (IQM 3,661). O estudo aponta que o início da pandemia derrubou o número de lançamentos a partir do segundo trimestre de 2020. No entanto, ressalta que os lançamentos voltaram a acontecer, o que permitiu manter o setor aquecido, com elevação nas vendas. Para este mapeamento foram avaliados: empregos no setor com média e alta remuneração; empresas da construção civil; novos domicílios; crescimento da quantidade de estabelecimentos comerciais; e aumento do número de empresas de serviços. Além de Mogi, também aparece Suzano, na 59ª colocação, com um IQM de 3.673.

Mogi ainda surge na 78ª colocação no setor de Comércio, com um IQM de 4.966, é a única cidade da região a figurar neste segmento, assim como no Agronegócio, sendo a 56ª cidade melhor para se fazer negócio, também a única da região no segmento.