Vereador de Poá denuncia candidaturas fantasmas

A existência de candidaturas fantasmas e o não cumprimento da cota mínima de 30% para as mulheres podem alterar os resultados das eleições em Poá. Uma denúncia já foi protocolada no Ministério Público Eleitoral. O documento aponta para indícios de irregularidades nos registros de candidaturas de mulheres em ao menos cinco legendas.

O autor da denúncia é o vereador poaense Mario de Oliveira, o Marinho do Jornal. Ele disputou as eleições de 15 de novembro pelo Pros e terminou o pleito como primeiro suplente, com 643 votos.

Antes de fazer a denúncia, Marinho apurou as informações no cartório eleitoral sobre os gastos de campanha destas candidatas e sobre a propaganda eleitoral. Ele não encontrou gastos declarados com materiais para panfletagem. Nem mesmo nas redes sociais as candidatas pediam voto. O que se viu foram postagens pedindo votos para outros nomes do partido.

"Se o mínimo de 30% da chapa para as mulheres é condição preliminar para a participação nas eleições e se a sigla não apresentou candidaturas reais, o partido sequer poderia ter disputado o pleito", ressaltou Marinho.

Na avaliação do autor da denúncia, os partidos "ocultaram o real conteúdo da sua lista, simularam candidaturas que não eram verdadeiras, com a finalidade clara de burlar a legislação eleitoral e de ludibriar a Justiça Eleitoral".