Saúde se preocupa com alta de casos de Covid-19 após festas

Com o baixo índice de isolamento social registrado nas últimas semanas, o secretário municipal de Saúde de Mogi das Cruzes, Henrique Naufel, afirmou que uma das principais preocupações da Pasta é com os novos casos e internações da Covid-19 gerados a partir das festas de final de ano.

Na semana passada, o titular da Pasta já havia informado que, caso o desrespeito às medidas restritivas continuassem na cidade, em meados de janeiro haveria a possibilidade de que as confirmações de contágio aumentassem consideravelmente na cidade.

"Nosso índice de isolamento está entre 37% e 43% há algum tempo e isso tem sido refletido no número de casos, que vem aumentando. Infelizmente, cada vez mais pessoas que conhecemos estão partindo e percebemos que esse vírus não vai dar trégua", disse Naufel.

Sobre as festividades do final de ano, como o Natal, na semana passada, e o Ano Novo, nesta semana, o secretário foi enfático ao dizer que a população terá de ser mais restrita, ressaltando que a doença está ativa e a situação ainda não está controlada.

A preocupação da Pasta é justificada pelos números que cercam a pandemia da Covid-19. Índices como casos confirmados da doença, internações e mortes, estão em patamares semelhantes aos do pico da doença na cidade, registrado entre junho e agosto.

"A gente tem se preparado em Mogi, aumentamos o número de leitos como se estivéssemos na fase aguda da pandemia. Esperamos não utilizar esses leitos, mas, se precisarmos, estamos com uma certa folga nesta questão", explicou Naufel. "Nossa preocupação é com o rebote dos casos que vem das festas de fim de ano que será refletido no meio de janeiro", voltou a enfatizar.

A coordenadora da Câmara Técnica de Saúde do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), Adriana Martins, também ressaltou que o isolamento social continua sendo a principal estratégia para diminuir a transmissão do vírus entre a população. No intervalo de sete dias na semana passada, houve aumento de 2% no número de infectados e de óbitos.

Restrições

O governo do Estado colocou em prática restrições no funcionamento de atividades na reta final de 2020, com o intuito de evitar aglomerações. Para Naufel, cabe à população se conscientizar sobre a gravidade da situação e que não é momento de festas em grandes grupos. "Até entendo o que o governo do Estado quis fazer, mas, na prática, teria pouco, ou quase nenhum efeito", pontuou o titular da Saúde.

A direção do Condemat também se manifestou sobre o tema e afirmou que prevê dificuldades para as prefeituras na fiscalização do cumprimento das medidas restritivas, apelando para que a população evite aglomerações.

Deixe uma resposta

Comentários