Empossado, Caio Cunha reitera compromisso de transparência

Após oito anos como vereador, uma campanha vencedora pautada em inovação e a promessa de dar mais transparência à gestão municipal, Caio Cunha (Pode) assumiu ontem a Prefeitura de Mogi das Cruzes.

O político de 42 anos foi eleito prefeito para os próximos quatro anos, em segundo turno, com 58,4% dos votos válidos, derrotando o atual chefe do Executivo, Marcus Melo (PSDB), que ficou com 41,6% dos eleitores.

A cerimônia de posse, realizada às 15 horas na Câmara Municipal, foi reduzida por conta da pandemia da Covid-19. Diferente do que ocorre normalmente a cada quatro anos, quando o evento conta com a presença de familiares, amigos, representantes da sociedade civil e cidadãos, a solenidade de posse deste ano teve a presença apenas do prefeito, da vice - Priscila Yamagami (Pode) - e dos 23 vereadores da próxima legislatura.

A solenidade começou às 15 horas, no plenário da Câmara Municipal e também contou com a presença de cinco funcionários do Legislativo, que auxiliaram no cerimonial - dois da copa, um do som, um de vigilância, um de fotografia - e o cinegrafista da TV Câmara.

Além da cerimônia, Cunha também fez uma transmissão ao vivo em suas redes sociais à noite, na qual falou sobre seu mandato e na intenção de estreitar a relação com os mogianos.

Um dos primeiros problemas a ser resolvido pelo prefeito foi anunciado durante coletiva de imprensa realizada na quarta-feira. Cunha explicou que tenta reverter a situação de 25 mil famílias mogianas em débito com a Prefeitura no valor total de R$ 100 milhões devido à ampliação de seus imóveis.

A informação, passada durante encontro para apresentar um balanço dos trabalhos realizados no processo de transição, preocupa Caio Cunha e vai mobilizar esforços da gestão para que a dívida de, em média, R$ 4 mil em Imposto Sobre Serviços (ISS) para cada família, seja anistiada ou postergada.

Segundo o prefeito, o valor foi descoberto pela gestão do ex-prefeito Marcus Melo (PSDB), por meio da atualização da metragem dos imóveis em Mogi das Cruzes, que também resultou, para diversas famílias, no aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

"Temos essa obrigação de cobrar (a dívida) da população, porque se não cobrarmos temos a possibilidade de cair em crime de improbidade administrativa", alertou o prefeito Cunha.

Alto Tietê

A solenidade de posse também ocorreu nos outros municípios do Alto Tietê. Na região, apenas dois prefeitos se reelegeram: Vanderlon Oliveira Gomes (PL), em Salesópolis, e Rodrigo Ashiuchi (PL), em Suzano.

Chegaram ao cargo pela primeira vez, além de Caio Cunha em Mogi; Luís Camargo (PSD), em Arujá; Carlos Alberto Taino Junior (PL), o Inho, em Biritiba Mirim; Priscila Gambale (PSD), em Ferraz de Vasconcelos; José Luiz Eroles Freire (PL), em Guararema; Eduardo Boigues (PP), em Itaquaquecetuba; Marcia Bin (PSDB), em Poá; e Carlos Chinchilla (PSL), em Santa Isabel.

Deixe uma resposta

Comentários