Documentário 'Hip Hop Mogi' retrata cenário do movimento

O Documentário Hip Hop Mogi foi lançado em versão online. O filme aborda o surgimento da cultura na cidade e apresenta alguns dos principais nomes que fizeram parte da construção do movimento e estão na ativa até os dias atuais.

Financiado pelo Programa de Fomento à Arte e Cultura de Mogi das Cruzes (Profac), o filme narra desde o surgimento dessa manifestação artística até nascer a ideia da Casa do Hip Hop, quando sociedade civil e poder público se uniram para criar o espaço, na rua Coronel Cardoso de Siqueira, 48, centro.

Para narrar essa construção cultural, foram entrevistados o Grafiteiro Bozer, Dj Pantera, B.Boy Marcio Pial, Rapper Tonhão, além de membros do poder público que deram incentivo, reconhecimento e importância à cultura, através de memórias que entrelaçam o hip hop, a música, a arte de rua, o graffiti e o breaking, não apenas a história apresentada, como também o contexto da cultura de Mogi nos anos 1980 e 1990.

Produção

No grafitti, Bozer conta sobre seu primeiro contato, na infância, com o hip hop e a arte de rua. Ele lembra também sobre a formação do Crew de graffitis nos anos 1990.

O documentário traz um pouco da história do Dj Pantera. O longa apresenta as dificuldades enfrentadas por ele para adquirir os primeiros toca discos e como entrou para a cultura hip hop. O músico também relembra quem ele viu tocando nos anos de 1986 e 1987.

Tonhão rapper, traz à tona a cena que antecedeu sua história, faz forte referência ao grupo de rap Pavilhão 9, com quem teve contato. O cantor deixa uma mensagem exclusiva sobre se dedicar ao estilo musical até hoje.

No Breaking, Marcio Pial fala sobre sua chegada a Mogi das Cruzes e o que ele encontrou na cidade sobre o movimento. Pial destaca a importância da união e faz um relato sobre o Hip Hop como ferramenta de transformação. O documentário também conta com a participação de Adamilton Andreuci, coordenador de Cultura em 2005, Denise Andere, da coordenadoria e depois ativista dentro da cultura e Mateus Sartori, secretário de Cultura e Turismos em 2020, que fortaleceu a criação da Casa do Hip Hop.

O documentário tem realização do Mogi City Produções, com direção de Acme e direção de fotografia de Beatriz Ataidio.
O filme está disponível gratuitamente no YouTube e pelo Instagram @hiphopmogi