Passo importante

O governo do Estado de São Paulo anunciou que no dia 25 de janeiro terá início o calendário de vacinação contra o coronavírus (Covid-19). A campanha deve durar três meses e imunizará, neste primeiro momento, idosos e profissionais de saúde. Serão necessárias duas doses para que a imunização tenha efeito. Depois dessa primeira fase, o plano de imunização deverá imunizar outros públicos, como crianças e pessoas com comorbidades.

Em pouco mais de um mês poderemos ter o início da vacinação em todo o território paulista. Ainda faltam alguns procedimentos e protocolos a serem seguidos e devidamente validados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas não se pode negar que o anúncio feito ontem, no Palácio dos Bandeirantes, é um passo importante.

São Paulo sai na frente nessa questão, já que o plano de imunização é de cunho estadual, não tem nada a ver com o planejamento do governo federal, que na realidade ainda não decidiu que tipo ou quais tipos de vacinas serão utilizadas em uma campanha nacional. O bate-cabeça em Brasília é muito grande, ainda há pouca movimentação sobre um calendário que possa abranger todo Brasil.

A previsão é que 9 milhões de paulistas sejam imunizados nessa primeira fase, entre eles, médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde que trabalham nos hospitais Luzia de Pinho Melo, em Mogi; Santa Marcelina, em Itaquá e Regional, de Ferraz, além das demais unidade de saúde de responsabilidade estadual, municipal ou da rede particular. Em relação aos idosos, a movimentação também será grande: somente em Mogi e Suzano, o percentual de idosos representa 14% e 12,7% de uma população de 432 mil e 291, respectivamente.

Além de garantir a primeira fase da vacinação, outras 4 milhões de doses serão enviadas a outros estados - apenas para aqueles que solicitarem - para dar início a imunização.

Resta agora saber se todos os testes foram feitos e se a vacina apresenta a segurança e eficácia como garante o Palácio dos Bandeirantes. Feito isso, este poderá ser o começo do fim da pandemia de Covid-19.