Esse patriotismo na veia

Sob o peso da experiência dos inúmeros anos de vida a tiracolo e cientes de que uma vida não questionada não merece ser vivida, homens convictos só entram em apuros quando levam suas visões e alucinações a sério. Mesmo sabendo que a moral é a teoria de que todo ato humano deve ser certo ou errado, e que nove décimos dele está errado! Como notória consequência de que, a parte que se ignora é muito maior do que tudo quanto se sabe.

Ainda sob essa mesma carga, em termos de reflexão, posso afirmar, convicto: acredito apenas em uma única coisa, na liberdade! Uma vez invocada a liberdade, e mesmo sabendo que a maioria das pessoas dá preferência à segurança e não à liberdade, neste mundo, a reboque vem a democracia: uma crença patética na sabedoria coletiva a partir da ignorância individual! Senão, vejam apenas a que tantas anda o país. Sem qualquer receio de poder concluir, sem medo de errar, tampouco ofender alguém: como se a democracia não fosse a arte e a ciência de administrar o circo a partir da jaula dos macacos.

Sob esse clima, para solucionar todo problema complexo, sempre existirá alguém disposto a encontrar uma solução simples, elegante e completamente errada. Basta constatar o que precede cada eleição: uma espécie de venda antecipada, um leilão de bens a serem roubados. Não é preciso ter a maioria para fazer uma rebelião, basta levar apenas uns poucos líderes determinados e uma causa válida.

Por isso o homem mais perigoso para qualquer governo é o homem que é capaz de pensar as coisas por si mesmo, sem levar em conta quaisquer superstições e tabus existentes. Quase que inevitavelmente, ele chega à conclusão de que o governo sob o qual vive é desonesto, insano e intolerável. Ainda mais quando se ouve a equipe de comando falar do genuino amor pelo país, podem saber que ela, na certa, espera pela recompensa e ser bem paga ao seu término!