Políticos buscam soluções para o corte de verbas da Santa Casa

Contrários à decisão do governo do Estado de São Paulo em cortar R$ 86 mil mensais do repasse à Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes, o que corresponde a mais de
R$ 1 milhão por ano, as lideranças políticas já estão se movimentando para buscar soluções.

Na tarde de ontem, o presidente da Câmara Municipal, Otto Rezende (PSD), afirmou que está buscando uma mobilização junto ao prefeito Caio Cunha (Pode), representantes da Assembleia Legislativa e do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

"Todo e qualquer repasse financeiro à Santa Casa de Misericórdia de Mogi faz a diferença na qualidade do atendimento à população, uma vez que a unidade médica tem um papel fundamental - com isso, este corte representa um sério prejuízo à instituição", disse o presidente da Câmara. O político frisou ainda que a Santa Casa deve desempenhar um papel auxiliar na rede municipal de Saúde, com investimentos em outros equipamentos instalados no município e a criação de novas unidades hospitalares.

Já o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD), juntamente com o presidente da Confederação das Santas Casas de Misericórdia e da Federação das Santas Casas do Estado de São Paulo, Edson Rogatti, está montando um dossiê sobre a situação de todas as filantrópicas para apresentar ao governador João Doria (PSDB) com o objetivo de reverter essa redução.

Ainda segundo o deputado, o orçamento do governo, enviado para a Assembleia Legislativa, cortou verbas da Secretaria Estadual de Saúde, ocasionando um rearranjo nas verbas encaminhadas para as Organizações Sociais de Saúde. "Isso provocou, por exemplo, o fechamento do Pronto-Socorro do Hospital Luzia de Pinho de Melo, e o corte de 12% das subvenções do Programa Pró-Santa Casa, que é um auxílio que foi criado no governo do José Serra. No caso da unidade de Mogi, significará uma redução de R$ 86 mil mensais", pontuou.

Outro parlamentar que tem buscado soluções para o corte de verbas é Marcos Damasio (PL), colocando o seu mandato à disposição. "Nós vamos ajudar a intermediar uma solução para este corte anunciado, pois a Santa Casa de Mogi é referência para toda a região", disse o deputado estadual sobre a medida publicada anteontem no Diário Oficial.

Há anos a Santa Casa de Mogi é responsável por cerca de 20 mil atendimentos por mês, 5 mil partos por ano, além de ser referência em Ortopedia, Oftalmologia, Neurocirurgia e Gestação de Alto Risco na região.

Deixe uma resposta

Comentários