Mogi e Suzano confirmam ações para a Fase Amarela

Na tarde de ontem, as prefeituras de Mogi das Cruzes e de Suzano reafirmaram seu compromisso com o Plano São Paulo de retomada e enfrentamento ao novo Coronavírus, que passou por nova atualização. A região do Alto Tietê, assim como toda a região metropolitana de São Paulo, permaneceu na Fase 3 (Amarela), de flexibilização conforme anúncio feito pelo secretário de Saúde do Estado, Jean Gorintcheyn, no Palácio dos Bandeirantes.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes, após a entrevista coletiva promovida no Palácio dos Bandeirantes, realizou uma reunião do Comitê Gestor de Retomada Gradativa das Atividades Econômicas da Prefeitura de Mogi das Cruzes. A reunião tratou, dentre diversos assuntos, da possibilidade de retomada das aulas presenciais na rede municipal em 2021. A consulta será feita com pais e responsáveis dos mais de 47 mil alunos matriculados nas escolas do município.

A Prefeitura de Suzano, por meio da Secretaria de Comunicação Pública, informou que o município continuará com o as medidas que determinam o funcionamento máximo de estabelecimentos comerciais, além do atendimento presencial em bares e restaurantes. 

O presidente do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), Rodrigo Ashiuchi (PL) de Suzano, afirmou que vem acompanhando de perto a progressão dos casos na região e no Estado. "Temos em todo o Estado uma alta no número de casos com ascensão muito mais rápida do que foi observado no pico da pandemia, entre o fim de julho e o início de agosto de 2020. (....) O Estado ampliou leitos de UTI em hospitais da nossa região nesta semana, mas precisamos de mais e vamos continuar cobrando leitos em hospitais de Mogi das Cruzes e Suzano que dispõem de estrutura para uma rápida ampliação".

A alteração mais significativa no Plano São Paulo apresentada ontem foi a definição dos critérios para a mudança de etapas de flexibilização. Enquanto que anteriormente a mudança de fases era definida pela variação no número de casos em um determinado período, a partir de agora será aplicada a proporção por 100 mil habitantes para novos óbitos, novas internações e novos casos de Covid-19.

Outro ponto foi o endurecimento nos critérios para a mudança de fases: se antes para ocupar a Fase 4 (Verde) era preciso ter uma taxa inferior a 75% dos leitos de UTI, agora é preciso ter menos de 70% de lotação, com menos de 30 novas internações por 100 mil habitantes e menos de três mortes por 100 mil habitantes em um período de 14 dias, além de permanecer quatro semanas consecutivas na fase Amarela.

Em contrapartida, o governo do Estado determinou a flexibilização do funcionamento das atividades econômicas nas etapas laranja e amarela do Plano São Paulo. Academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros e parques passam a funcionar na fase laranja, com liberação de funcionamento de quatro para oito horas por dia, devendo encerrar suas atividades às 20h.

Na fase amarela, o funcionamento de todas as atividades - incluindo parques estaduais - estão liberados, com até dez horas por dia de expediente, com fechamento obrigatório às 22h, sendo ainda proibidas festas, baladas e shows.

FUNCIONAMENTO DO COMéRCIO SERá LIMITADO

Com a manutenção de Mogi das Cruzes na fase amarela do Plano São Paulo a partir desta segunda-feira, a Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) alerta que novas regras e horários para funcionamento deverão ser observadas pela população.

Dentre as normas que devem ser atendidas pela população, estão o atendimento presencial limitado até 20h nos bares e 22h no comércio, com ocupação máxima de 40% da capacidade, como medida para evitar a transmissão do novo Coronavírus.

"A permanência na fase amarela, ainda que com redução de duas horas no funcionamento das lojas, é um alívio diante da grande especulação de retorno para a fase laranja ou mesmo vermelha, o que significaria muito mais restrições", ressaltou o presidente da ACMC, Marco Zatsuga. "Agora aguardaremos o decreto municipal, que vai regulamentar as regras na cidade, mas os comerciantes já devem se preparar para 10 horas de funcionamento".

A ACMC reforça que a atualização do Plano São Paulo será revisado daqui a quatro semanas, no dia 05 de fevereiro, e que eventos não-essenciais que possam gerar aglomeração (festas, baladas, shows musicais ou de qualquer tipo) continuam restritos.

"É essencial que os comerciantes continuem contribuindo", afirmou o presidente.

Deixe uma resposta

Comentários