Se necessário, HC de Suzano deve receber leitos de Covid

Em entrevista exclusiva ao Grupo Mogi News, a gerente regional da Secretaria de Estado da Saúde para o Alto Tietê, Virgínia Garcia Leme, garantiu que, embora haja a demanda dos municípios para a abertura de novos leitos de Enfermaria e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para casos de coronavírus (Covid-19), a abertura seguirá critérios técnicos, estipulados em conjunto pelas autoridades de saúde do Estado e dos municípios. O Hospital das Clínicas de Suzano é o que tem mais chances de receber esses leitos.

A gerente regional informou que o acompanhamento de todos os 379 leitos de Enfermaria e dos 232 leitos de UTI é feito diariamente, caso a caso. Ela também esclareceu que embora haja picos de ocupação nos hospitais da região, a média se mantém na faixa de 75,7% nos leitos de UTI em hospitais estaduais.

Questionada sobre a possibilidade de instalação de um hospital de retaguarda no Alto Tietê para casos de Covid-19, Virgínia explicou que a região já conta com a utilização de 20 leitos de Enfermaria no Hospital das Clínicas de Suzano, e que o local ainda poderia ter a expansão para mais dez leitos além de outros dez para UTI. "Como a estrutura dos prédios é separada, na eventualidade de uma necessidade de criação de mais leitos, este local estaria mais preparado para fazê-lo, uma vez que os pacientes de hospitais de longa permanência necessitam de cuidados redobrados dentro do contexto da pandemia", explicou.

Oxigênio

Sobre uma possível crise com o fornecimento de oxigênio e insumos para hospitais na região, semelhante ao ocorrido na cidade de Manaus (AM) no início do ano, Virgínia tranquilizou informando que este cenário é improvável. "A situação é bem segura, e temos um acompanhamento criterioso de todos os insumos dos hospitais e clínicas da região", assegurou.

A gerente também falou possibilidade de instalação de um novo Hospital de Campanha no Alto Tietê, de alcance regional. Virgínia respondeu que os municípios da região do Alto Tietê e de Guarulhos estão buscando utilizar equipamentos e estruturas das redes municipais sem a aplicação de um hospital de campanha, de forma mais eficiente e sem risco de subutilização.

Lotação

O Hospital Regional Dr. Osíris Florindo Coelho, em Ferraz de Vasconcelos, contava ontem com 69% de ocupação por UTI, já o Hospital Santa Marcelina de Itaquaquecetuba não possuía pacientes para seus dois leitos dedicados à Covid-19 e o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo de Mogi estava com 24 dos seus 33 leitos ocupados. As três cidades foram citadas pelo governo do Estado no início do mês por sua alta ocupação de leitos. Na eventualidades na lotação destes hospitais, Virgínia ressaltou que a Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross) entra automaticamente em ação, permitindo o direcionamento adequado de pacientes para outras unidades. "É um sistema que é acompanhado em tempo real por especialistas", finalizou a gerente.