Palmeiras recebe o River Plate para confirmar vaga na final

Danilo diz que equipe deve jogar concentrada, apesar da boa vantagem na semi
Danilo diz que equipe deve jogar concentrada, apesar da boa vantagem na semi - FOTO: Cesar Greco/Agência Palmeiras
Montado com jogadores revelados na base e contratações pontuais, a versão atual do Palmeiras tem tudo para recolocar o clube na final da Copa Libertadores depois de 20 anos e mostrar o quanto é facilmente capaz de superar vários elencos mais badalados que o clube teve nos últimos anos. A equipe do técnico Abel Ferreira recebe hoje o River Plate, a partir das 21h30, no Allianz Parque, com a vantagem de defender a vitória por 3 a 0 obtida na semana passada.

A comodidade de poder se classificar até com uma derrota por dois gols de diferença faz o Palmeiras ser o grande favorito. O que não evita a prudência. "O River tem um time muito bom, competitivo, não à toa chegou em cinco finais de Libertadores. O importante é manter o foco, fazer o que nosso treinador pede, e jogarmos concentrados. Ainda não há nada definido", afirmou o volante Danilo.

A equipe jamais esteve tão perto de voltar à final da Libertadores pela primeira vez desde 2000, quando ainda vivia o último ano da cogestão com a Parmalat e perdeu a decisão para o Boca Juniors.

De lá até hoje, o Palmeiras conseguiu no máximo ser semifinalista em 2001 e 2018. Em ambas as ocasiões perdeu novamente para o time argentino. No entanto, a busca pela Libertadores, que a torcida define como "obsessão", fez o clube sonhar e também apostar alto em várias outras temporadas, sem obter o mesmo êxito.

O Palmeiras conseguiu montar um elenco badalado em 2009 com a ajuda da parceria com a Traffic. Diego Souza, Cleiton Xavier e Keirrison foram alguns dos pilares do time que parou nas quartas de final do torneio ao ser eliminado pelo Nacional do Uruguai.

Mais recentemente, a injeção de dinheiro da patrocinadora Crefisa possibilitou a chegada de reforços de peso. O time investiu cerca de
R$ 100 milhões para a edição de 2017. Bruno Henrique, Borja, Guerra e Deyverson foram alguns dos nomes contratados com o aporte da empresa. Porém, a campanha terminou logo nas oitavas de final, diante do Barcelona, do Equador.

Algumas dessas estrelas permaneceram no elenco nos anos seguintes, até a temporada atual forçar o clube a uma nova proposta. O aporte da Crefisa em contratações foi abandonado por questão tributária (a empresa foi multada pela Receita Federal) e o departamento de futebol foi reestruturado. A ordem passou a ser investir na base e buscar reforços pontuais.

Prova disso é o time que bateu o River Plate por 3 a 0 semana passada. Todos os 11 titulares ou vieram da base ou por contratações bancadas com recursos próprios, sem a contribuição de parceiros.

Deixe uma resposta

Comentários