Fiocruz confirma chegada de vacinas

Imunizantes passaram por conferência e receberam etiquetagem em português
Imunizantes passaram por conferência e receberam etiquetagem em português - FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O lote com dois milhões de vacinas prontas da Oxford/AstraZeneca importadas da Índia chegaram nos laboratórios da Fiocruz, no Rio de Janeiro, no início da tarde de ontem e seria liberado para o Ministério da Saúde na madrugada de hoje.

As vacinas passaram por conferência de temperatura e integridade da carga, ao longo do dia de ontem. Elas receberam etiquetas com informações em português e teriam amostras encaminhadas para análise de protocolo e liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz).

O imunizante chegou em São Paulo no início da manhã de ontem. Depois de passar pelos trâmites alfandegários, foi enviado ao Rio de Janeiro em um voo solidário da Latam.

STF

O Supremo Tribunal Federal formou maioria ontem para permitir a compra de vacinas contra a Covid-19 por Estados e municípios caso as doses ofertadas pelo Ministério da Saúde sejam insuficientes para atender a população local. O julgamento foi realizado no plenário virtual e já contava com seis votos para validar liminar do ministro Ricardo Lewandowski, que deu aval para a compra em dezembro do ano passado.

O entendimento firmado pela Corte é de que Estados e municípios podem comprar e distribuir vacinas caso o Ministério da Saúde falhe ou seja omisso com o Plano Nacional de Imunização (PNI) ou na hipótese em que a cobertura planejada pela Pasta não seja suficiente contra a doença.

A decisão também permite a aquisição de vacinas autorizadas para distribuição comercial por autoridades sanitárias dos Estados Unidos, Europa, China ou Japão, mas somente caso a Anvisa não se manifeste sobre a autorização destes imunizantes no país dentro do prazo de 72 horas previsto em lei.