Países enfrentam pressão para acelerar vacinação da Covid-19

Agência Européia de Medicamentos (EMA) precisa conceder ainda a aprovação
Agência Européia de Medicamentos (EMA) precisa conceder ainda a aprovação FOTO:

As autoridades da Alemanha e da França estão sob pressão para apresentar soluções para aplicar as doses do imunizante contra a Covid-19 da Oxford/ AstraZeneca em maior velocidade e evitar um acúmulo de doses não utilizadas nas próximas semanas. As informações são do jornal britânico The Guardian em reportagem publicada, ontem.

O órgão regulador médico da França reverteu seu conselho de não usar as doses da AstraZeneca em pessoas com mais de 65 anos, e o comitê de vacinação da Alemanha está sob pressão para seguir o mesmo exemplo.

Ambos os países demoraram a administrar o imunizante devido a um conflito entre o produtor sueco-britânico da vacina e a comissão europeia em janeiro, por causa no atraso na entrega das doses.

A taxa de utilização das doses da vacina da AstraZeneca na França é de 24%, disse um funcionário do ministério da saúde, ontem, bem abaixo da meta estabelecida de 80-85%. Na Alemanha, dois terços das 1,4 milhão de doses administradas permaneciam armazenadas anteontem.

Na cidade de Duisburg, no oeste da Alemanha, por exemplo, um porta-voz disse que 50% a 70% das doses da vacina da AstraZeneca não foram aceitas ou foram canceladas. Segundo especialistas, o ceticismo parece ser um fenômeno local restrito a regiões específicas, e os problemas logísticos têm desempenhando papel muito maior.

Na segunda maior cidade da Alemanha, Hamburgo, as autoridades disseram que quase não sentiram relutância entre aqueles que receberam a vacina de Oxford, mas admitiram que a decisão de liberar a vacina apenas para menores de 65 anos criou "problemas logísticos consideráveis".

"Esperávamos que a vacina da AstraZeneca fosse um dos principais impulsionadores de nosso programa, já que seus modestos requisitos de armazenamento significavam que poderíamos tê-la administrado por meio de consultórios médicos antes das vacinas da BioNTech ou Moderna", disse ao The Guardian Martin Helfrich, porta-voz da o ministério da saúde na cidade de Hamburgo.

As vacinas da Moderna e da BioNTech precisam de temperaturas muito baixas, e não podem ser armazenadas em refrigeradores comuns. A decisão alemã de não liberar a vacina para maiores de 65 anos significou que as autoridades tiveram que buscar ativamente os jovens no grupo de maior prioridade.

O porta-voz do ministério da saúde disse que esperava que houvesse um "período de agitação" no início de abril, quando os centros de vacinação estarão funcionando a plena capacidade, mas ainda não há doses suficientes para fornecer aos grupos prioritários. Enquanto isso, ainda há espaço para fazer com que a operação alemã funcione de forma mais eficiente - no domingo passado, seis dos 16 estados não vacinaram ninguém.

Encontrar trabalhadores, como equipes médicas ou bombeiros, foi feito com relativa rapidez por meio de sindicatos e associações trabalhistas. Mas chegar aos mais jovens com condições pré-existentes era uma tarefa mais trabalhosa, com o Estado tendo que convidá-los pelo correio para marcar uma consulta por telefone, causando atrasos.