Justiça nega afastamento do vereador Dr. Jairinho

Vereador e namorada estão presos há uma semana
Vereador e namorada estão presos há uma semana - FOTO: Renan Olaz/Câmara Municipal do Rio de Janeiro

A Justiça do Rio de Janeiro negou pedido da bancada carioca do PSOL para afastar o vereador Doutor Jairinho de suas funções na Câmara Municipal. O vereador foi preso preventivamente na semana passada durante as investigações que apuram a morte do menino Henry Borel, de apenas 4 anos.

A decisão, da juíza Mirela Erbisti, da 3ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio, foi publicada ontem. "Indene de dúvidas a repulsividade do crime praticado contra o menor Henry. Tendo chocado toda a sociedade, os noticiários veiculam diariamente detalhes da investigação, os quais inevitavelmente revoltam e entristecem qualquer ser humano com um mínimo de empatia pelo outro. No entanto, por maior que seja o clamor social por justiça, a liminar em questão esbarra em dois princípios inafastáveis, quais sejam o da presunção de inocência e o da separação dos poderes", diz trecho da decisão. O vereador e a professora Monique Medeiros foram presos na quinta-feira passada por ordem da Justiça no caso que investiga a morte de Henry de 4 anos. (E.C.)