Brasil e Índia têm mais da metade dos casos globais

Vacina aumenta a proteção contra variantes em pessoas que já foram infectadas
Vacina aumenta a proteção contra variantes em pessoas que já foram infectadas - FOTO: Divulgação

Os casos de Covid-19 nas últimas semanas superam os registros dos primeiros seis meses da pandemia, com Índia e Brasil, juntos, respondendo por mais da metade das infecções nos últimos sete dias, segundo afirmou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa ontem.

Cientista chefe do órgão multilateral, Sumya Swaminathan disse que a vacinação contra o coronavírus na Índia não será suficiente para diminuir agora os casos da doença, já que o processo de imunização demora algum tempo para ter efeito sobre o alastramento do vírus. Por isso, disse, medidas sanitárias seguem necessárias. Ainda há, acrescentou Swaminathan, um problema de fornecimento de vacinas, diante das poucas doses disponíveis para uso no mundo inteiro.

Para mitigar este problema, Tedros disse que seria importante quebrar as patentes dos imunizantes para acelerar a produção. "Se não podemos usar esta ferramenta em um momento de tamanha urgência, quando poderemos?", questionou o diretor-geral da OMS. Ele afirmou esperar que os países se convençam de que esta é a melhor forma de proceder no momento, após elogiar as iniciativas de África do Sul e Índia de apoiar a quebra das propriedades intelectuais.

Ainda sobre vacinas contra a Covid-19, a chefe do setor de vacinas da OMS, Mariângela Simão, disse que o imunizante da chinesa Sinopharm deve ter sua avaliação final concluída ainda nesta semana. Já o imunizante da Sputnik V, do Instituto Gamaleya da Rússia, ainda precisa ter seu dossiê completo entregue à OMS, para que o grupo de especialistas da entidade comece a avaliar a possibilidade de expedir uma autorização de uso emergencial ao produto.

Vacina

Um estudo realizado por pesquisadores britânicos concluiu que a primeira dose de uma vacina contra a Covid-19 aumenta a proteção contra as novas variantes do coronavírus, mas apenas em pessoas que já foram infectadas anteriormente. De acordo com os cientistas que lideraram a pesquisa na Imperial College London, na Queen Mary University of London e na University College London, a resposta imune às variantes naqueles que ainda não tiveram a doença pode ser insuficiente. Os resultados do trabalho foram publicados na revista Science na sexta-feira passada.

Durante o estudo, os profissionais analisaram as respostas imunológicas em trabalhadores da saúde do Reino Unido após a aplicação da primeira dose do imunizante produzido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech.

Os resultados da pesquisa estão relacionados às variantes do coronavírus da África do Sul e do Kent, mas os cientistas acreditam que a conclusão do estudo também se aplique a outras cepas do coronavírus em circulação, como a do Brasil (P.1) e as da Índia (B.1.617 e B.1.618).