Ministério da Saúde quer estoque com 9 milhões de medicamentos do 'kit intubação'

Depois de Estados relatarem falta de medicamentos para intubar pacientes internados com Covid-19, o Ministério da Saúde quer formar um estoque regulador dos produtos que compõem o chamado "kit intubação" para evitar novos riscos de desabastecimento. A intenção é que o país tenha produtos para três meses, o que, nos cálculos internos feitos pelo governo no pico da pandemia, representa nove milhões de remédios. O "kit intubação" é formado por sedativos, anestésicos e bloqueadores neuromusculares. Esses remédios garantem que o paciente seja intubado sem sentir dor e sem tentar arrancar o tubo em reação involuntária.