Índia registra novo recorde diário de mortes por Covid-19

País foi responsável por 41% de todas as mortes e 49% de todos os casos confirmados
País foi responsável por 41% de todas as mortes e 49% de todos os casos confirmados - FOTO: Divulgação

A Índia registrou novo recorde de mortes por Covid-19 ontem ao mesmo tempo em que o número de infectados tem diminuído nos últimos dias. De acordo com o Guardian, foram relatados 4.329 óbitos nas últimas 24 horas e 263 mil novos casos. Segundo a universidade americana Johns Hopkins, desde o início da pandemia, o país superou 25 milhões de contaminações e 278 mil vidas perdidas.

De acordo com dados do "Our World in Data", projeto ligado à Universidade de Oxford, a Índia foi responsável por 41% de todas as mortes e 49% de todos os casos confirmados no mundo nas últimas vinte e quatro horas.

Para agilizar a imunização contra a Covid-19, a cidade de Xangai, na China, começou a administrar uma vacina de dose única desenvolvida pela empresa chinesa CanSino Biologics. De acordo com as autoridades de saúde locais, a campanha de vacinação foi lançada na quinta-feira passada e, até anteontem, a cidade havia aplicado o fármaco em 23.154 pessoas.

A empresa afirma que a vacina utiliza diferentes técnicas de fabricação, o que resulta em diferentes dosagens necessárias. Segundo a agência Xinhuanet, vários postos de imunização na cidade relataram um aumento significativo no número de pessoas perguntando sobre o fármaco de dose única.

Ciclone

Com ventos de até 210 km/h, o ciclone Tauktae atingiu a costa oeste da Índia anteontem deixando pelo menos 27 mortos e centenas de desaparecidos. A tempestade é considerada a mais poderosa a atingir a região em mais de duas décadas, e preocupa autoridades quanto à continuidade do enfrentamento à pandemia de Covid-19. O cronograma de imunização do país teve de ser interrompido.

Cerca de 150 mil moradores dos estados de Gujarat e Maharashtra tiveram de sair de suas casas devido à chegada do ciclone, antecipada pela agência meteorológica local. Segundo o diretor da Força Nacional de Resposta a Desastres da Índia, S.N. Pradhan, as normas de distanciamento social estão sendo seguidas em abrigos de evacuação e as equipes de resgate estão retirando os destroços das áreas afetadas. Há relatos de destroços espalhados pelas estradas, árvores arrancadas e linhas de eletricidade danificadas após o desastre.

Em Maharashtra, seis pessoas morreram na segunda-feira, enquanto a capital do estado, Mumbai, foi poupada de grandes danos, mesmo com fortes chuvas e ventos atingindo a costa da cidade e seus arranha-céus. No fim de semana, o Tauktae matou outras seis pessoas nos estados de Kerala, Karnataka e Goa, enquanto se movia ao longo da costa oeste.

Segundo o Departamento Meteorológico da Índia, o ciclone deve enfraquecer nas próximas 24 horas, mas fortes chuvas devem continuar ocorrendo em diversas partes de Gujarat e Maharashtra pelos próximos dias.

Ambos os estados estão entre os mais atingidos pela pandemia do coronavírus, e os governantes temem que a tempestade possa colocar em risco as linhas de abastecimento de suprimentos médicos, como oxigênio, devido à destruição das estradas e aos bloqueios impostos pelo trabalho de socorro. Recentemente, o sistema de saúde da Índia entrou em colapso devido a uma explosão de casos de Covid-19, deixando hospitais superlotados e causando acidentes.